terça-feira, 31 de janeiro de 2017

E pintar uma aquarela; BH, 0310102017.

E pintar uma aquarela,
Ou um óleo sobre tela, ou tinta
Sobre papel, num tudo azul
Da cor do céu, quando o céu tiver
O fundo azul do teu olhar e esse azul,
Intimidar o azul do mar; aí, ai, 
Posso dizer que criei uma obra-prima;
Uma obra de arte menina, uma menina
Mulher, uma mulher menina, uma bela arte
De artista renomado, consagrado no amor,
Imortalizado na liberdade, engrandecido
No infinito; e quem olhar e conhecer,
Vai sentir inveja do prazer, de 
Quem tem certo tipo de azul e 
Um outro não tem; e de alegria
Choro estas cristalinas lágrimas, de
Pedras preciosas e gemas raras, pepitas 
De ouro e lingotes de rochas que vêm  
De longe, em voos milenares e um 
Dia, terão que ir embora, também,
Em voos milenares, como uma anciã,
Que cumpriu seu papel aqui, no 
Nosso meio e deixou frutos num
Pomar verdejante, minerais nobres, 
Numa mina de veios abundantes;
Hosana a Oxalá, Xangô, Alá, Deus em
Todos os nomes e linguagens antigas e 
Modernas; e agradecimentos pelas 
Cicatrizações das chagas e das curas 
Das feridas; e saúde de pai com peito 
De mel e seio de mãe leiteira; e mãe de 
Útero virtuoso, acolhedor, onde 
Nadávamos peixinhos em flor, até o dia no 
Qual, aprendemos a dizer a palavra amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário