quarta-feira, 29 de abril de 2015

Rio Grande do Norte, 916, 5; BH, 0180102012.

Vamos fazer assim, enquanto o senhor
Medir a minha barriga, meço o teu
Universo; chamaste-me de guloso e
Acertaste em cheio, pois sou guloso
Sim, por tudo que é cultura, política,
Música, filosofia, enfim, coisas ditas
Universais; como e bebo muito, mas
Não é por gula, é porque não como e
Nem bebo só por mim, mas por todos
Aqueles que me habitam, me possuem
E são habitados e possuídos por mim;
Disseste que és matemático, que
Calculas distâncias de passos e não
Conheces o Grigori Perelman, que
Calcula como parar o Universo; mas
Foi bom conhecer-te, aprendi a beber
Água, eu que gosto mais do vinho; e
Aprendi que Nietzsche não foi braço
Direito e nem principal discípulo de
Freud como disseste; guardei as  
Receitas que me deste, apesar de
Algumas já colocá-las em prática há
Tempos; aprendi, também, que me
Chamaste de sábio e de inteligente e
Ao dizeres que o que eu disse para ti
Não tinha preço, agradeço-te, então,
Do fundo do meu coração.

Rio Grande do Norte, 916, 4; BH, 0180102012.

Meu cérebro, desperta aí, meu cérebro,
Minha mente, desperta aí, minha mente,
Minhas memórias, minhas lembranças,
Minhas recordações, minhas nostalgias
Desperteis aí; não durmais mais e nem
Deixes-me dormir, mantenhais-me
Acordado; minha alma sonolenta,
Desperta aí, meu espírito modorrento,
Ânimo aí; meu ser taciturno, sorumbático,
Meditabundo, casmurro, enfadonho,
Alegra aí; minhas multidões que me
Habitais em minhas casas, moradas e
Moradias façais festas aí dentro de mim;
Façais banquetes, orgias, festins, façais
Bacanais, surubas, toqueis rebus aí; e
Danceis, bebais vinhos, muito vinho e
Canteis, declareis, reclameis, repliqueis,
Embriagueis-vos de todas as bebidas
Profanadas pelos deuses; riais, sorriais,
Gargalheis já, escancareis as bocas e os
Olhos; façais tudo que pudereis por este
Seu hospedeiro tristonho, agiteis este ser
Melancólico, que vive pelos cantos em
Encostos, traste velho e sem gosto, sabor,
Sal; adoceis este amargo de minha boca,
Com as salivas de mel, que emanam de
Vossas bocas frescas de singelos hortelãs.

Só posso dizer é que não soube aproveitar; BH, 0120102013.

Só posso dizer que é não soube aproveitar,
O que a vida me deu; e só posso dizer que,
Nada soube aproveitar, que deficiência
Que não pude superar; e penso que não
Dependia de mim, estava fora do meu
Alcance, estava fora do meu currículo,
Estava fora do meu arquivo e da minha
Pasta de documentos; não posso dizer
Mais nada, pois mais nada sei a respeito
De mim, a não ser que não sei mais nada a
Respeito de mim; e há pessoas que sabem
De tudo a respeito de si e de outrem, têm
Visão, enxergam além da alma e do espírito
De qualquer um; já não sou assim, não
Soube aproveitar a aptidão e engrossei o
Coro dos desiludidos, dos amadores, dos
Desprevenidos e não fiz nada de útil
Durante o tempo em que vivi; e às pessoas
Que vivem a dar satisfações a mim, a
Respeito delas, não quero saber nem de
Mim; só posso dizer que perdi o bonde, a
História atropelou-me com a verdade e
Nunca mais fui outro, a não ser o mesmo do
Mesmo; e sinceramente, mas sem querer
Ser muito sincero, no subterfúgio e na
Dissimulação, sempre acordo como se não
Estivesse dormido e sempre acordo como
Se não estivesse sonhado.

Simpatia pela macumba e seus macumbeiros; BH, 0120102013.

Simpatia pela macumba e seus macumbeiros,
Daí que nasceu o samba e seus batuqueiros;
Simpatia pelo ocultismo e feitiçaria, paixão
Por tudo que possa gerar poemas, sonetos,
Poesias; a fonte é o que menos interessa:
Umbanda, espiritismo, xamã, ou vudu,
Qualquer canto da África negra, lundu e
Capoeira, rasteira, pegada de tambor;
Tenho simpatia pela agonia, sim senhor,
Não sei cantar, sei gemer; é um zumbido do
Zumbi vivo dos Palmares, que se incorporou
Em mim; não quero pisadura, quero liberdade,
Cabresto não quero mais não e nem quero
Religião; que religião é essa, em que sou
Tratado ou como escravo, ou como ladrão; e
A batucada dos tambores do meu coração,
Atabaques, tantãs, tamborins, são tambores
Nagôs de candongueiros; e só quero pisar o
Chão, com as solas dos meus pés, com
Calcanhares, em firmes tornozelos, dedões;
Pés de negro, de crioulo, de mulato, e de
Moleque; pé de Saci-Pererê, Santa Clementina
De Jesus, rogai por nós; São Cartola, rogai
Por nós, caboclo Joaquim Nabuco, vamos
Vigiar, a liberdade começou aí, a raiar, e
Não pode mais findar; e todo o meu culto
Termina com a batucada e o samba nos pés
E orações, hinos de louvores aos deuses
Africanos, por quais tenho cá a minha simpatia.

CAf, A MEDALHA DA INCONFIDÊNCIA E A INSATISFAÇÃO DA ELITE MINEIRA.

Na foto, o que a elite mineira quer fazer com Stedile ("Tiradentes", de Pedro Americo)


Conversa Afiada reproduz artigo de Sandro Abreu:

A MEDALHA DA INCONFIDÊNCIA E A INSATISFAÇÃO DA ELITE MINEIRA



A indignação de políticos conservadores e de parte do empresariado mineiro com a medalha da inconfidência concedida ao líder do MST, João Pedro Stédile, escancara o que está posto no Brasil neste momento: a elite não aceita mais o povo no Poder. É isso. Isso é mais forte do que a crise econômica e do que a corrupção que está sendo desvendada após décadas de assaltos aos cofres públicos. Não é por simples insatisfação que entidades empresariais gastaram uma boa grana para publicar uma nota de repúdio em jornais mineiros. Curiosamente, a nota saiu publicada na mesma página que trouxe a notícia da aprovação da terceirização.

Políticos, artistas, juristas, empresários, jornalistas, ativistas e uma gama enorme de pessoas de todo o Brasil já foram condecoradas com a medalha, incluindo o amigo do rei Luciano Huck e o “grande empresário” Eike Batista, que tanto explorou as riquezas mineiras de Minas Gerais, prejudicando gente simples e humilde das comunidades rurais do interior, como por exemplo, em Conceição do Mato Dentro. Mas o Stédile não pode ganhar. O “grande jornal dos mineiros” chegou a colocar como intertítulo da matéria sobre o evento: bandido.

Alguns homenageados mais conservadores já anunciaram que irão devolver suas medalhas e o PSDB protocolou Projeto de Resolução na Assembleia Legislativa para cassar a medalha de Stédile. Hoje deputados da oposição e alguns manifestantes nas galerias do Plenário da ALMG, entre eles, o filho de Pimenta da Veiga, candidato do PSDB ao governo do Estado, derrotado pelo PT, usaram cordas vermelhas no pescoço para continuar o lamento sobre a medalha concedida a um líder de movimento popular. Então é isso, a aristocracia pode receber, o rebelde não.

O interessante é que foi justamente isso o que aconteceu com Tiradentes. De todos os inconfidentes, ele foi o único sentenciado à morte. O motivo? Ao contrário dos outros, não tinha alta patente, era de classe baixa e não pertencia à elite das minas gerais. Os demais receberam penas mais brandas.

Embora a Inconfidência Mineira tenha sido um movimento da elite mineira revoltada com a derrama, alguns ideais marcaram o movimento como a luta contra a exploração das terras mineiras pela Coroa portuguesa, luta pelo direito dos colonos e por liberdade. Bandeiras parecidas com as do MST. Tiradentes foi alçado a herói após a proclamação da república, e sua imagem trabalhada estrategicamente para associá-lo a Jesus e à simplicidade, reforçando a representação de homem do povo e do bem. Mas um homem do povo, um rebelde não pode receber a medalha que lembra justamente a conjuração e a rebeldia dos mineiros.

Mas além da medalha a Stédile, a cerimônia dos Inconfidentes promovida pelo governo petista, em Ouro Preto, no último dia 21, trouxe mais uma novidade: a praça foi aberta ao povo após 12 anos de cerimônias fechadas. O governador enfrentou manifestação, mas manteve sua postura democrática e popular. Stédile é povo. Esse foi o 21 de abril deste ano em Minas Gerais.

Talvez Tiradentes, pelo menos a imagem forjada ao longo do tempo, esteja mais satisfeito agora…

Sandro Abreu – BH/MG

terça-feira, 28 de abril de 2015

CAf, SERGIO MORO PRESIDENTE DO BRASIL!

SERGIO MORO PRESIDENTE DO BRASIL!



Por Amilton Sganzerla*, especial para o Escrevinhador

Sergio Moro Presidente do Brasil!

Será esta uma hipótese absurda? Talvez sim, talvez nem tanto. Vejamos.

Moro não é político profissional, agrada a todos os que acham que a política é a mãe de todos os males.

Moro age como um déspota, atende a todos os que querem a volta da ditadura.

Moro é algoz da esquerda, contempla a todos os que são de direita.

Moro prende e castiga alguns grandes empresários, satisfaz a todos os que acham que a justiça não põe rico na cadeia.

Moro agrada os barões da mídia. Por duas razões. Porque cumpre sua agenda de enfraquecer o governo federal e porque rende uma manchete por semana. Eles precisam também de manchetes para vender seu produto.

Moro agrada as multinacionais, porque está destruindo o pouco que temos de engenharia e tecnologia nacional.

Moro evita qualquer problema aos partidos de direita em suas investigações, porque precisará de seu apoio em futuro próximo.

Moro passa por cima da lei para punir os supostos criminosos, igualzinho aos heróis dos filmes policiais de Hollywood.

Moro cria a imagem simbólica de grande combatente da corrupção, tida como o grande e único mal do país.

Moro aparenta competência, organização e capacidade de comando, tudo o que dizem que um bom gestor precisa.

Moro prestou juramento de vassalagem e demonstração de encantamento ao verdadeiro partido político da direita no Brasil, a Rede Globo e seus donos, ao aceitar e receber, sem conseguir esconder o deslumbramento, o Prêmio “Faz a Diferença – Personalidade do Ano” das mãos dos “marinhos”.

Moro está cumprindo fielmente a agenda de tentar fulminar e destruir os principais símbolos da esquerda no país.

Não estamos presenciando, infelizmente, um processo de combate à corrupção e , sim, a construção de uma candidatura à Presidência da República.

Não cabe mais no Brasil o retorno de um despotismo visualmente truculento como foi o dos militares pós-64. O que está na chocadeira é um candidato a déspota esclarecido e com apoio popular.

A direita brasileira está com um plano bem pensado e arquitetado e farão com o próprio Alckmin e o PSDB o que fizeram com Carlos Lacerda, Magalhães Pinto e a UDN em 64. Serão usados enquanto úteis e descartados na hora certa.

Moro será o candidato perfeito para o ambiente político construído. É a luva na mão para uma nova ditadura no Brasil.

Político sem aparentar ser político, comportamento militar sem ter farda e insígnias, popularidade midiática sem ser do povo, aparência de reformador para evitar qualquer reforma, aparência de cidadão comum para ser legítimo representante da elite, combatente da corrupção sendo o protetor da pior corrupção.

A elite brasileira está com a tática do “quero-quero”, ave das nossas terras: canta numa coxilha e põe os ovos na outra.

Caso o ninho venha a chocar, na hora certa, Moro renunciará à função de magistrado, vai se filiar a um pequeno partido e construirá uma ampla aliança de direita. E o restante a Globo e seus satélites farão.

A principal forma de evitar assaltos ainda é a capacidade de prever os movimentos dos assaltantes e, assim, tomar medidas para que não aconteça.

Há um assalto em andamento contra a democracia brasileira e as poucas conquistas sociais obtidas neste curto espaço democrático conquistado de 1988 até hoje.

O despotismo esclarecido está em gestação no Brasil.

O mundo das aparências encobre a essência do mundo. Hoje no Brasil, mais do que nunca.

Precisamos desmascarar o plano para que o mesmo não se complete.

* Filósofo de meia idade, que vive em Porto Alegre e acompanha o Blog Escrevinhador

domingo, 26 de abril de 2015

CDA, Carlos Drummond de Andrade; BH, 0120102013.

CDA, Carlos Drummond de Andrade, que
Por muito tempo deixou logo cedo a
Ignorância restrita às torcidas organizadas
De times de futebol, viveu na gentiliza, na
Delicadeza educação e na cultura; nunca
Cometeu um ato de arrogância e de estupidez;
Verdadeiro cavalheiro sóbrio, lúcido e só
Embriagava-se pelo lirismo; morou a maior
Parte da vida, na maravilhosa cidade do Rio
De Janeiro, segunda terra de todos os mineiros;
E penso que não se deixou fotografar de sunga
E nem a cambalear pelos botecos, nem flagrado
A dirigir embriagado, com a habilitação vencida; 
E não foi pária, ou parasita do estado de Minas 
Gerais, ou do povo mineiro; mineiro exemplar 
E foi contra a destruição da natureza pelas 
Mineradoras e soube usar muito bem a sabedoria 
E a inteligência em benefício da literatura e da
Poesia; em vista de outros mineiros ditos
Famosos, que badalam Rio de Janeiro a fora,
Foi imortalizado numa estátua de bronza, em
Frente ao mar da praia de Copacabana; já
Os banais, por mais que façam como os
Pavões, por mais que procurem os holofotes,
Não brilharão no firmamento, como a estrela
Solitária de CDA, Carlos Drummond de Andrade.

Godorin baradim bodin; (tradução livre) BH, 0120102013.

Gorodin baradim bodin vodin bu, gastra parrusca
Nenerboca das quarrarias; balastoca vergudaufs
Orozimbo; pantarrulha dosborréia madarrgin,
Bereustróica mapulin ducofar esterréia separréia
Rãnarréia; garoba peroba papapela melamaia
Quatninha guandrinha catarrinha , ora pro nobis,
Centapéia zampuara; sapo para de sapopareta,
Manto arra de santoarreta; blisdecaia de
Blisdecaieta; mancatraca de mancatraqueta,
Taramela de tarameleta; ostovarrim gondói
Gaberini; baralgin bereguin bodori, negu pretu
Fedorentus baticum cum cu nu cimentu queu
Ti dou miliquinhentus; breu negu pretu sarará
Pegu negu pa lavaá, sá catinga num saím poegu
Negu pá matá frestu; orosbela de quatrela na
Gamela ça paticoti modi zumbi dirigi mandi
Gororoba esbudegada bendeslaga de vanguarda
Vero veio ve o veio quue veio traze riqueza pu
Véio bambu zambu guandu lundu macu ô esta
Minininha fala padreiarinha lando nasta rinha
Veredada.canforada papá pepé pipi popó pupu.

#Lula2018

Diga lá da pré-história o que fazes aí; BH, 0120102013.

Diga lá da pré-história o que fazes aí,
Com esse pedaço de hulha, ou de
Lava vulcânica na mão? groow dow
Gruhum dum wow krow zu sau mhu
Rundu mogoro fru fiofo teu; (tradução):
Vou registar nas paredes desta caverna,
Uma mensagem rupestre para os do
Futuro; mas, da pré-história, aqui no
Futuro, estamos prestes a voltar à
Pré-história; rodus goos rroupe das cus
Tundas lis cota fhum um bumbum; (tradução):
Não aprenderam as lições da professora
Luzia, vou tentar de novo; como? o quê?
Tendes tudo aí e nós aqui, com nossa
Estupidez de torcida organizada de times
De futebol, a invejar-te; fiques aí na
Pré-história, não queiras chegar aqui, não,
Só encontrarás desilusão; gaspa raspa tuas
Lascas tasca basca? (tradução): quer dizer
Não vale a pena ser moderno? ou da
Pedra lascada, moderno nada, aqui
Impera a ignorância de um, cada vez maior
Do que a do outro, nada tens a aprender
Aqui; Grogon goron don bundon; (tradução):
Grogon que vos proteja; isso, aqui Deus
Não está a proteger ninguém, é cada um
Por si e o apocalipse por todos: caos,
Violência, crimes, estupros, pedofilias,
Mortes, guerras, desamor, ódios, raivas;
Gasgar tor do lin go don; (tradução): e o
Futuro será o inferno; se pensavas no
Inferno, realmente, inferno verás se
Cegares aqui; jota sini rini pum dum
Fedum; (tradução): de jeito nenhum
Saio daqui para aí e nunca mais.

The Barber of Seville

sexta-feira, 24 de abril de 2015

O futuro me mete medo e não tenho base; BH, 0100102013.

O futuro me mete medo e não tenho base,
Sem base para o futuro, acovarda-me
O futuro diante do tempo; é que,
Desorganizado, não preparei-me
Para viajar até ao futuro; a máquina
Fundiu-se, o motor pifou-se e
Com a estrada em péssimas condições,
Chegarei ao futuro combalido; tento
Iludir-me e a outrem, que tudo
Correrá bem até lá; e a incerteza
É tão certa, tão grande, que sinto-me
Cada vez mais pequeno, com a chegada
Do futuro; e penso nem em querer chegar,
Penso em não querer ir, ficar aqui,
Estacionado, para ver o que vai dar;
Penso em ficar inerte, a fingir de morto
E que não é comigo esse papo de futuro;
Mas na verdade, quero é fugir, é ir
Para bem longe do futuro, para não
Encontrá-lo, não ter que encará-lo,
Olhos nos olhos, como da acareação,
Não terei a resistência de sustentar
Um cara à cara; o futuro me farar
Rastejar e não poderei apresentar
Álibi; não terei receita e nem bula
E todos já sabem de tudo e dirão: bem
Que avisamos, abrimos-lhe os olhos e
Não quis enxergar; agora o bicho pegou
Para o meu lado, coro comeu e
A chapa esquentou; o cobertor ficou curto,
Cobriu de um lado e descobriu do outro:
O futuro me pegou pelo pé.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Já tive outros caroços e sumiram e já; BH, 0100102013.

Já tive outros caroços e sumiram e já
Tive outras dores e também desapareceram
E sem remédios; remédio que mais
Gosto de usar, é limão, muito limão
Em excesso; e cebola, alho, azeite, mel,
Água, frutas, frutos, grãos, sementes; remédio
Só para dores que não têm jeito, como
A dor de dente; já tive outros caroços
Que sumiram e este vai sumir da
Mesma forma; e logo no dia do meu
Aniversário, arrumo um caroço de estimação,
No rabo; o Gabo dizia, que o rabo ele
Ardia, pegava fogo, mas não dizia o
Que era; no meu é um caroço que apareceu:
Arde, incomoda, mas tenho a esperança,
Que suma como os outros sumiram;
Presentinho meio incômodo, este que
Veio no quinquagésimo oitavo ano
De vida; é uma idade meio periclitante,
O organismo fica meio frágil e qualquer
Coisinha causa preocupação; mas a
Vida é assim mesmo, coisa de humano,
Da raça humana e não pode causar surpresa;
E não estou preocupado, sinceramente,
Não estou preocupado; parece-me um
Gânglio, um inchaço, mais provocado
Por molho velho de pimenta, que
Como com os salgados dos bares; dói,
Lateja e presumo que não seja
Algo mais grave igual a um câncer,
Creio que ainda não; amanhã deve
Desaparecer por completo e não doer mais.

Lou Reed & John Cale, Songs For Drella.


quarta-feira, 22 de abril de 2015

O problema é a falta de consideração; BH, 0100102013.

O problema é a falta de consideração,
Não há mais consideração entre as
Pessoas, nenhuma; e quando se
Predomina a consideração, é a falsa
Consideração que dita a regra; e a
Vida seria bem mais bela, se cada
Cidadão, tivesse pelo outro, uma
Verdadeira consideração; mas o
Mercado, a mídia, a sociedade, os
Políticos, os empresários, os
Banqueiros, os militares, os patrões e
Mesmo os empregados e os
Trabalhadores não demonstram
Consideração e nem solidariedade
Com ninguém; motoristas, motociclistas,
Motoqueiros, ciclistas, todos querem
Desempenhar um papel maior do que
O outro e acabam por causar tragédias,
Caos, acidentes, incidentes, desastres; e
Penso que, a falta de consideração
Esteja ligada à falta de formação, ou à
Falta de educação; e o que noto, de
Uma forma, ou de outra, é que o
Cidadão quer mais é demonstrar não
Ter formação, que não tem educação e
Muito menos consideração pelo
Semelhante; é uma pena e a alma fica
Cada vez mais pequena e o espírito
Cada vez mais minúsculo; e isto me faz
Temer o futuro e não quero ser o único
A temer o futuro, um futuro em que as
Pessoas se despirão dos seus conceitos,
Abrirão mãos dos princípios, das relações;
É a isso que penso que leva a falta de
Consideração entre as pessoas.

Vai rachar o cano e começou a trovejar; BH, 080102013.

Vai rachar o cano e começou a trovejar,
A relampejar e a cair raios; vai rachar
O cano, chuva muita que vem por aí,
Pudera, com o calor que tem feito, só
Água para nos refrescar; vai tocar o
Terror, o Trio Turbinado chegou à
Praça: Relâmpago, Trovão e Raio; e
Não há nada melhor do que uma chuva
Num final de tarde; até os mortos se
Regozijam na hora em que vai chover;
Rolam pedras nos céus e quando se
Chocam, mandam descargas elétricas,
Que de vez em quando, até matam
Alguém; por ora, foi engano, muito
Barulho, mas nada de chuva e o
Calor continua acentuado; pode ter
Chovido em outras regiões da tarde,
Mas aqui, nada; tinha ficado animado,
Pois chuva é prova de continuidade da
Vida e das coisas que jamais quero
Desacostumar-me, é com a chuva; por
Mais desassossego que em alguma
Época a chuva pode ter causado, nunca
Quererei estar desapegado da chuva,
Em hipótese alguma ou nenhuma; e
Quando está muito seco, como se todo
O tempo fosse um sertão, dentro de mim
Sempre chove em algum lugar, no meu
Peito, no meu coração; agora, garoa,
Como se fosse uma tarde em São Paulo.

Que poder de equilíbrio tem a mulher; BH, 080102013.

Que poder de equilíbrio tem a mulher,
Desde o meu passado, noto, que a mulher
Tem um poder de equilíbrio descomunal;
Nos meus tempos de menino, ficava encantado,
Com as mulheres que equilibravam
De tudo na cabeça: potes de água,
Latas, tabuleiros, talhas, trouxas de roupas,
Cestos, balaios, feixes de lenhas, caixas,
O que se pudesse, as mulheres equilibravam
Na cabeça; e paravam a bater papo, a jogar
Conversa fora, a pôr em dia as fofocas,
Mas sempre com alguma tralha equilibrada
Na cabeça; atualmente, inda encanta-me o
Poder de equilíbrio das mulheres, quando as
Vejo em cima de saltos gigantescos, aos
Saltos, aos sapateados, aos requebrados,
Aos rebolados, sem perderem a postura,
Elegância, charme: maravilho-me; e este
Século será o século das mulheres, das suas
Conquistas; continuam umas artistas e
Desempenham muitos papeis melhores do
Que os homens; sempre fui um encantado
Pelas mulheres, desde menino, as lavadeiras,
As empregadas, as passadeiras e mesmo as
Putas das zonas de baixo meretrício, que não
Cansava de espiar; as mulheres são poderosas
Na sedução, no equilíbrio e mesmo no orgasmo,
Onde aproveitam mais do que os homens;
E agora, nas presidências, nos altos cargos,
Não tem para ninguém é o século das mulheres.

E é mais um dia de vida perdido; BH, 080102013.

E é mais um dia de vida perdido,
Minha flor, não ganhei um botão
E nenhum broto nasceu no meu
Caule, quanto mais uma flor, ou
Um fruto, ou uma fruta; e não
Quereria viver nem mais um dia
De vida perdida, perdido, os três,
A vida, o dia e eu; e quem ganha
Um dia, se souber, pode ganhar
Uma eternidade; e se não souber,  
Ganha a mortalidade e há aqueles
Que a mortalidade nasceu com
Eles e com um dia de vida
Ganhado, ganha a posteridade;
Conheço muitos mortos que são
Eternos e conheço muitos
Imortais em adiantado estado de
Decomposição; e nada fazem
Pela mudança, uma revisão de
Pontos de vista e de opinião, ou
Comportamentos; e depois que
Se perde um dia de vida,
Praticamente é necessário um
Século para recuperá-lo; e aí,
Aparece sempre alguém a dizer
E a pensar tudo ao contrário,
Àquilo que nós pensamos e
Dizemos; e com toda consciência,
Lucidez, sobriedade, que
Demonstramos, muitas vezes não
Temos argumentos para contra-ponto;
E um pensamento superficial, uma
Ideia vaga, um papo morto, viram
Febre nacional, virose e acertam
Por saberem que a maioria não
Faz questão de coisas melhores.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Dobby; BH, 060102013.

Dobby é um cachorro vira-latas, que apareceu
Lá em casa e virou xodó; tem o latido bem
Estridente, chega a incomodar, a doer os
Ouvidos e ganhou simpatias da mãe e da
Filha da mãe; e é um cão, que num teste de
Sobrevivência, se dará muito bem; come de
Tudo o infeliz, chego a pensar, que nunca
Tivesse visto comida: pardal, rolinha, pombo,
Calango, taruíra, rato, aranha, borboleta,
Mariposa e o que se mover na frente dele,
Vai para o estômago; quase matou uns galos
E umas galinhas da vizinha, foi uma gritaria só;
E é um cachorro que gosta de miar para
Chamar a atenção e se não der uma bronca
Forte, toma conta da situação; o Lucas, que é
O que manda na casa, também se simpatizou
Pelo Dobby e bater nele na frente do Lucas,
É briga certa; agora já faz parte da família o
Danado e é até mais bem tratado do que eu;
Só não podemos é deixar o portão aberto,
Um descuido, é rua e só volta no outro dia,
Todo sujo e às vezes machucado; e depois
Que fiquei a saber, que o Saramago era
Apaixonado por cachorros, passei a me
Afeiçoar um pouco a Dobby, mas não muito;
Aceito para não contrariar a mãe e a filha da
Mãe e ao Lucas, que já quebrou até óculos,
No dia em que dei um chega pra lá no
Danadinho; mas não deixa de ser um animal
Interessante, que parece querer ser gente.

John Lennon-Grow Old With Me

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Poetas declaram apoio à legalidade do mandato de Dilma Rousseff


 Diversos poetas comprometidos não só com a palavra, mas também com o contexto político no qual estão inseridos enviaram ao Portal Vermelho seus depoimentos em apoio à legalidade do mandato constitucional da presidenta Dilma Rousseff.


A iniciativa foi do poeta e colaborador do portal, Claudio Daniel, que mobilizou outros amigos da poesia para este manifesto. Alguns deles já contribuíram com a sessão Letras Vermelhas, do caderno cultural Prosa Poesia e Arte, entre eles, Chiu Yi Chih.

Veja os depoimentos: 

“Confio na integridade e na capacidade da presidenta Dilma. Quem deve ser cobrado são os integrantes do Congresso mais reacionário dos últimos tempos, os seus presidentes deploráveis, e o ministro Gilmar Mendes (colocado no STF pelo ex-presidente Fernando Henrique) que sentou há mais de um ano em cima do voto, bloqueando a decisão que impediria o financiamento empresarial das campanhas eleitorais e dos partidos políticos. Golpe nunca mais! Ditadura nunca mais! Marchas da Família, etc., nunca mais! Não vão levar no tapetão, o que perderam na eleição! Golpistas não passarão!” (Augusto de Campos)

“Dilma foi eleita pelo voto livre, democrático. Falar de impedimento é um absurdo que a grande mídia estimula tresloucadamente. Isso se chama golpe, sem tirar nem pôr. Já vi, infelizmente, essa cena: em 1964 multidões foram para as ruas em patéticas "Marchas da Família com Deus pela Liberdade". Deu no que deu: uma ditadura cruel e sanguinária que durou 21 anos”. (Armando Freitas Filho)





"Falar em impeachment de Dilma Rousseff é algo tão sem pé nem cabeça quanto obrigar os mosquitos da dengue a se mudarem para o Paraná. A água no estado de São Paulo está no osso, os casos de dengue são mais da metade dos registrados em todo o país, a polícia promove um verdadeiro genocídio nas quebradas, há suspeitas de corrupção grossa, nunca apuradas, no Metrô, na Dersa e nas obras do monotrilho, e não ouço ninguém pedindo o impeachment de Geraldo Alckmin. Espero que o governo de Dilma Rousseff consiga fazer a maior faxina possível dentro de Casa e prossiga com as mudanças sociais que vem acontecendo há mais de uma década. Mas estou convencido que sem mudanças profundas na difusão cultural e sem a criação de novos e eficientes canais de comunicação, teremos que ouvir o coro dos ignorantes por muito mais tempo. Os caras vão para a rua pedir impeachment e depois voltam para casa para assistir Faustão e enlatado americano dublado. Assim fica difícil levar uma discussão de alto nível." (Ademir Assunção)


“Fiquei feliz com o esvaziamento desse movimento favorável ao impeachment da nossa presidenta. Na última manifestação, na avenida Paulista, a concentração não tinha onde chegar e virou, como disse um amigo, uma passeata que não passeia, uma rua de lazer. Até mulheres nuas e seminuas desfilaram ao sol. Sem falar dos carros de som tipo trio elétrico, camisas da seleção, hino nacional e ambulantes vendendo cornetas e chapéus”. (Rubens Jardim)




“O Brasil vive uma das situações políticas mais delicadas de sua história. Está em curso uma articulação golpista, liderada pela grande mídia, que visa interromper o ciclo de doze anos de governo democrático-popular no país, que em curto período reduziu a miséria, as desigualdades sociais, implementou medidas de democratização do estado e da sociedade e preservou a nossa soberania e independência, com uma corajosa política externa. O que os empresários midiáticos e seus aliados do PSDB-DEM, setores do judiciário, banqueiros e latifundiários desejam é fazer o país voltar no tempo e retornar à sua condição submissa em relação aos Estados Unidos e ao grande capital internacional, com o mesmo receituário aplicado por Fernando Henrique Cardoso: privatização de empresas estatais a troco de banana, arrocho salarial, desemprego e adoção das medidas recessivas do FMI. No campo cultural, trava-se também uma séria batalha na sociedade entre os que defendem os direitos dos trabalhadores, das mulheres, dos negros, dos homoafetivos, e aqueles que desejam impor uma pauta reacionária, machista, racista, homofóbica, de retrocesso em todos os campos. Neste momento, precisamos de uma ampla frente de apoio ao mandato de Dilma Rousseff, à democracia e ao aprofundamento das mudanças sociais iniciadas por Lula. A unidade dos trabalhadores, da juventude, da intelectualidade progressista e dos movimentos sociais é essencial para conquistarmos a vitória." (Claudio Daniel)

"Considerando as recentes manifestações de descontentamento com o atual governo federal, me brotou a dúvida sobre qual dos tipos de ‘imbecildadão’ - que toma para si a tarefa de impostar a voz vestindo a camisa da (corrupta) seleção brasileira - seria o mais cretino: o manifestante que levanta a bandeira do impeachment ou o manifestante que pede a volta da ditadura militar. O primeiro tipo de cretino certamente não sabe o que faz, uma vez que a presidenta Dilma foi eleita democraticamente e governa dentro da legalidade - se ocupando, inclusive (e praticamente de maneira inédita…!), dos casos de corrupção que inauguraram a escola político-partidária brasileira. Trata-se, nesse caso, de um cretino ignorante. O segundo tipo de cretino, ao contrário, parece saber exatamente o que faz, e deseja veementemente - a despeito de qualquer consideração pelos direitos civis e democráticos - ver seu pau subir, ao projetar todo seu desejo de onipotência na figura de um imbecil musculoso de arma em punho. Nesse segundo caso, trata-se de um cretino narcísico com delírios apocalípticos. Depois de alguma reflexão, pude concluir que o primeiro tipo de cretino é o mais cretino dos cretinos que dão voz a sua cretinice: a ignorância é imbatível - graças a ela, ibi erat dictatura. Para o segundo caso: habemus divã. Quantos aos demais casos de manifestação crítica (e necessária) ao atual governo federal, são bem-vindas, desde que desprovidas de ignorância, narcisismo e demais amostras adjacentes em ufanismo-verde-e-amarelo." (Ana Cristina Joaquim)



“Dando continuidade ao programa político e social iniciado no governo Lula, o atual mandato da Dilma tem contribuído de modo significativo na luta por um Brasil mais justo, do ponto de vista das melhorias das camadas mais desfavorecidas, e nesse sentido, é fundamental que seja respeitada a sua gestão assim como o fato de a presidente ter sido eleita democraticamente pela população brasileira”. (Chiu Yi Chih)





“Eu confio na presidente Dilma Rousseff. Apoio a continuação de seu mandato. A oposição, com ajuda da mídia golpista, tem manipulado gente que não sabe quem é o vice e acha que com a saída da Dilma quem vai assumir é o Aécio Neves. Que esperar disso?” (Rosana Piccolo)




Eu
e muitos brasileiros
disse Dilma
isso é legal
está legalizado
querer um fora
agora
acaba na hora
com a força do voto
Eu disse sim e quero sim.
(Lúcio Agra)



Do Portal Vermelho

T.Rex - Electric Warrior 1971 (Full Album)


O que o ser humano pode fazer; BH, 060102013.

O que um ser humano pode fazer
De mais genial? o que um homem
Pode usar de mais perceptivo, intuitivo
E sensível? o que um ser pode
Demonstrar de mais inteligente, ou de
Sabedoria e lucidez? e de sobriedade,
De inspiração, de imaginação e de
Criatividade? é que tenho a mania, de
Estar sempre a dizer, se qualquer
Pessoa ficasse a meditar, apresentar
O melhor de si, não se precisaria de
Tantas cadeias; se cada um que tivesse
A tentação de cometer um crime e
Optasse a um outro tipo de obra, a
Um outro ripo de arte, a uma outra
Opção de vida, as penitenciárias
Estariam vazias e os presídios
Abandonados; será que a estupidez
É o maior dom da humanidade? será
Que a ignorância é o maior azo do
Ser humano? será que o jaez da raça
Humana é a imbecilidade? ou é a
Falta de sensatez? só pode e há
Coisas bem mais simples e prazerosas
Que, poderíamos fazer, no lugar de
Fazermos de tudo, para irmos parar
Numa delegacia; proponho uma nova
Ordem mundial para o banimento das
Aberrações, bizarrices e bisonhices: a
Cultura, cada um a criar cultura em
Todas as artes; aí, sim, a nova ordem
Mundial, cultura em alto nível genial.

Cometo loucuras e nehuma genial; BH. 060102013.

Cometo loucuras, nenhuma grnial 
E não gosto nem de pensar nelas; cometi
Coisas de louco, de insano, inacreditáveis,
Doideiras e maluquices dignas de
Camisas de força; cometi arbitrariedades,
Acredite quem quiser, não pensava em
Nada e nem media as consequências;
Qualquer um que fizesse o que fiz, colocaria
As barbas de molho e nunca mais as
Tiraria; e não colocava mais a cara na rua;
Cometi barbaridades nesta vida, que
Envergonho-me, só em pensar; era uma
Época sem lei, sem igreja, sem Deus e
Sem religião; e até sem camisinha, sem
Agulha descartável e sem pundonor de
Nada; os jovens de hoje são uns santos,
Todos puros e inocentes, os jovens de
Hoje têm todas as garantias dos céus;
Mas naquela epocazinha, era o inferno
Para loucuras atrás de loucuras, doideira,
Maluqicies, sem querer saber de nada;
Um passado totalmente perdido, para
Quem não parou e continuou com
Sexo, drogas e rock'n'roll; e se pensar
Na grana que foi para o esgoto? e se
Pensar no que foi para o ralo? o bom
É nem pensar e se pensar, sofre; e
Rumina o passado, quando o passado
Era a garantia dum futuro ruim; é melhor
Morrer de inanição, como se fosse
Vítima de um campo de concentração.

domingo, 19 de abril de 2015

Acabou-se há muito tempo a imprensa brasileira; BH, 060102013.

Acabou-se há muito tempo a imprensa brasileira
E não há mais imprensa respeitada no Brasil
E nem jornalista de gabarito, isento;
O que há é o PIG, o Partido da Imprensa
Golpista, recheado de colunistas, 
Calunistas, profetas do caos, 
Porta-vozes da crise, editorialistas
Do quanto pior melhor, energúmenos
Comentaristas e mentecaptos blogueiros,
A serviço de reverberarem as notícias 
Tendenciosas, a desinformação e o 
Conflito; e há esse balaio de gatos, porém, 
Que nunca poderá é ser chamado de 
Imprensa e seus comparsas, que 
Também não podem ser chamados de 
Jornalistas e as matérias, que não 
Podem ser chamadas de reportagens; 
Infeliz de quem lê e pauta a vida e 
Forma a própria opinião por esses
Órgãos que formam o PIG e seus 
Capachos; para ganharem o poder,
São capazes de criar um movimento
Nocivo contra o país, a prejudicar
O povo, em vista de seus interesses;
E a vacina contra esses golpistas é 
Desprezá-los, como a maioria do 
Povo trabalhador brasileiro já tem
Feito, em algumas regiões do país;
O certo é prestigiar os blogueiros
Sujos, progressistas e que têm as 
Informações isentas, não fazem 
Reporcagens, respeitam os direitos
E não difamam, como a chamada 
Imprensa brasileira, mas fajuta.

sábado, 18 de abril de 2015

É assustador o nível do político brasileiro; BH, 060102013.

É assustador o nível do político brasileiro,
Quando é eleito a algum cargo, ou
Indicado a um posto, à uma função; o
Primeiro pensamento que lhe vem à
Cabeça é: me dei bem, ou tirei o pé do
Chão, a barriga da miséria e agora, vou
Arrumar-me; o político brasileiro não
Pensa na coletividade e papa verbas da
Educação, saúde, segurança; e quanto
Mais verbas desvia, mais respeitado fica,
(Tal o do PSDB, Partido da Social
Democracia Brasileira), junto ao STF,
Supremo Tribunal Federal, à PGR,
Procuradoria Geral da República e ao
PIG, Partido da Imprensa Golpista; e é
Totalmente blindado ao não aparecer um
Repórter para perguntar-lhe sobre as
Falcatruas; José Serra, FHC, vulgo
Fernando Henrique Cardoso, pais da
Privataria Tucana, são deuses abençoados
E intocáveis; e Geraldo Alckmin, com o
Desgoverno de São Paulo, é outro que
Ninguém cobra nada; e de volta ao cobra
Criada Aécio Neves, (que capitaneou
Minas Gerais, está na lista de FURNAS,
Com Eduardo Azeredo, pai do mensalão
Tucano), eleito senador pelo estado, se
Esbalda nas baladas no Rio de Janeiro, é
Protegido como se fosse a joia do tesouro;
A lista é grande: Antonio Anastazia,
Demóstenes Torres, Marconi Perillo,
Agripino Maia; são esses homens baixos,
Dos baixios, ralos, rés-do-chão, que fazem
O papel da política brasileira; mas o povo
Trabalhador brasileiro dará o verdadeiro
Castigo aos cupins que estragam nossa história.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

GGN, Os defensores do impeachment na Operação 'Puxando a Capivara'

Líderes de oposição receberam agitadores de protestos anti-governo para condenar a corrupção. Mas a ficha dos que esbravejam contra a ilegalidade e a falta de ética na política é intrigante
Arte: Angelica Pinheiro
Jornal GGN – Lideranças de partidos de oposição ao governo receberam, na quarta-feira (15), alguns dos agitadores dos protestos dos dias 15 de março e 12 de abril - entre eles, Rogério Chequer, do Vem Pra Rua. Durante o encontro, figurões como Agripino Maia (DEM), Ronaldo Caiado (DEM), Mendonça Filho (DEM), Paulinho da Força (SD), Aécio Neves (PSDB) e Roberto Freire (PPS) tiveram a oportunidade de esbravejar contra os casos de corrupção que desgastam o PT e a gestão Dilma Rousseff.
Chama atenção, entretanto, a ficha dos defensores da ética e do combate indiscriminado à corrupção. Associação com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, prisão por fraudes e desvios em grandes obras, contas em paraísos fiscais em nome de familiares, recebimento de propina, recursos de campanha questionados na Justiça e até falsificação de documentos para criação de partido fazem parte do histórico de acusações e dos relacionamentos intrigantes que envolvem as estrelas políticas do encontro em tela.
GGN fez uma breve seleção:
1 - Aécio Neves (PSDB)
O neto de Tancredo Neves que construiu um aeroporto de R$ 14 milhões no terreno do tio-avô já foi questionado na Justiça sobre o paradeiro de mais de R$ 4 bilhões que deveriam ter sido injetados na saúde de Minas Gerais. O caso Copasa contra o ex-governador foi engavetado. Destino semelhante tiveram as menções a Aécio na Lava Jato. O tucano foi citado por Alberto Youssef como beneficiário de propina paga com recursos de Furnas. Para o procurador-geral da República, isso não sustenta um inquérito. Rodrigo Janot também cuida de outro escândalo que leva a Aécio, sob a palavra-chave Liechtenstein (um principado ao lado da Suíça). Investigando caso de lavagem de dinheiro, procuradores do Rio de Janeiro chegaram a uma holding que estava em nome da mãe, irmã, ex-mulher e filha do tucano. Esse inquérito está parado desde 2010 na gaveta do Procurador Geral da República.
2- Agripino Maia (DEM)
Presidente do DEM, Agripino Maia foi dono das expressões mais sugestivas de defesa da luta contra a corrupção. "Chegou a hora de colocar o impeachment [de Dilma Rousseff]", disse no encontro com os manifestantes anti-governo. O senador tem em seu currículo a acusação de receber R$ 1 milhão em propina, em um esquema que envolvia a inspeção de veículos no Rio Grande do Norte, entre 2008 e 2011. Coordenador da campanha presidencial de Aécio, o democrata, em 2014, teve seu caso arquivado no MPF pelo ex-procurador-geral da República Roberto Gurgel. Mas foi reaberto há sete meses por Janot, e agora está sendo investigado no Supremo Tribunal Federal (STF).

3- Ronaldo Caiado (DEM)
O senador Ronaldo Caiado (DEM) é associado ao bicheiro Carlinhos Cachoeira por supostamente ter recebido verba ilícita nas campanhas de 2002, 2006 e 2010. Cachoeira foi denunciado por tráfico de influência e negociava propinas para arrecadar fundos para disputas eleitorais. O bicheiro foi preso em 2012 por operação da Polícia Federal que desbaratou esquema de adulteração de máquinas caça-níquel. Caiado foi citado nesse contexto, recentemente, por Demóstenes Torres. Ele teria participado de negociação entre Cachoeira e um delegado aposentado que queria ampliar esquemas de jogo ilegal. Até familiar do democrata já foi alvo de denúncia. O pecuarista Antônio Ramos Caiado, tio de Caiado, está na lista suja do trabalho escravo.

4- Roberto Freire (PPS)

Uma das principais acusações que pesam contra o presidente nacional popular-socialista é de envolvimento com o Mensalão do DEM. A diretora comercial da empresa Uni Repro Serviços Tecnológicos, Nerci Soares Bussamra, relatou que o partido praticava chantagem e pedia propina para manter um contrato de R$ 19 milhões com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, comandada pelo deputado Augusto Carvalho. Freire teria sido beneficiado no esquema.

5- Paulinho da Força (SD)
O presidente do Solidariedade, segundo autoridades policiais, participou de esquema de desvio de recursos do BNDES. Um inquérito foi aberto no STF para investigar o caso. Em 2014, a Polícia Federal também indiciou a sogra e outras duas pessoas ligadas ao deputado federal sob suspeita de falsificarem assinaturas para a criação do Solidariedade. Gilmar Mendes conduzirá, ainda, a apuração em torno da suposta comercialização de cartas sindicais (uma espécie de autorizações do Ministério do Trabalho para a criação de sindicatos) por Paulinho, dirigente da Força Sindical. Consta nos registros que cada carta era vendida por R$ 150 mil.
6- Mendonça Filho (DEM)
Em fevereiro de 2014, Mendonça se envolveu em uma polêmica por querer indicar deputado acusado de duplo homicídio pelo Supremo Tribunal Federal para presidir a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Julio Campos (DEM), ex-governador do Mato Grosso, afirmou que Mendonça teria dito que a indicação era uma "homenagem". O deputado federal de Pernambuco já foi preso pela Justiça eleitoral sob acusação de fazer carreata no dia de votação, mas o STF decidiu que não houve crime eleitoral. Um documento daOperação Castelo de Areia citava contribuição suspeita de R$ 100 mil da Camargo Correa a Mendonça, para sua tentativa de ser prefeito do Recife. Ele admitiu que recebeu R$ 300 mil da empresa, mas alega que foram doações dentro das conformidades.
7- Carlos Sampaio (PSDB)
O deputado mais votado da região de Campinas (SP) recebeu R$ 250 mil de uma empreiteira envolvida no esquema de corrupção da Petrobras investigado na Operação Lava Jato. Sua última campanha arrecadou, oficialmente, R$ 3 milhões. Não há comprovação sobre a lisura da doação. Sampaio, coordenador jurídico do PSDB e autor do pedido para que Aécio fosse empossado no lugar de Dilma Rousseff, teve reprovada a sua prestação de contas referente às eleições para a Assembleia de São Paulo, em 1998, e às eleições municipais de Campinas, em 2008.
8- Luiz Penna (PV)
O presidente do PV também aparece um tanto escondido na fotografia. Irregularidades já remetidas à prestações de contas do partido incluem seu nome. Em 2006, por exemplo, boa parte dos R$ 37,8 mil gastos em passagens aéres e R$ 76,8 mil com diárias de campanhas eleitorais foram atribuídos a José Luis Penna. Na época, servidores do TSE apontaram ausência de documentos que comprovassem os gastos e uso de notas frias, indicando empresas fantasmas que teriam prestado os serviços. O corpo técnico do Tribunal sugeriu a rejeição das contas do partido de 2004, 2005 e 2006. O deputado federal respondeu a dois processos judiciais, um pelo TRE-SP, rejeitando a sua prestação de contas à eleição de 2006, e outra pelo TSE reprovando as contas do PV de 2004. 
 
9- Flexa Ribeiro (PSDB)

O hoje senador já foi preso pela Polícia Federal em 2004, na Operação Pororoca, por fraude em licitações de grandes obras realizadas no Amapá. Foi acusado de corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, tráfico de influência, peculato, prevaricação, usurpação de função pública e inserção de dados falsos em sistema de informações.

10- Antonio Imbassahy (PSDB)

O deputado federal tucano era prefeito de Salvador em 1999, quando contratos suspeitos foram assinados com as empresas Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Siemens, que formavam o consórcio responsável pelo metrô da capital baiana. O Ministério Público Federal investiga o superfaturamento nas obras, que gira em torno de R$ 166 milhões. Até agora, dois gestores indicados por Imbassahy à época e duas empresas foram indiciadas. O tucano é o vice-presidente da CPI da Petrobras, que investiga desvios de verbas da estatal, onde diretores da Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa também aparecem como réus. Imbassahy foi acusado pelo PT de se aproveitar do posto na CPI para pedir documentos à Petrobras e vazar para a imprensa. 
11- Beto Albuquerque (PSB)
Ex-colaborador do governo Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque (PSB) foi envolvido na intriga que rendeu a queda do então diretor-geral do Departamento de Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) José Francisco Thormann. Thormann se antecipou a uma demissão após a imprensa local ter revelado que ele viajou à Suiça às custas de uma empresa privada subcontratada para fazer obras no Estado. Em nota de defesa, Thormann afastou suspeitas sobre o fato, e revelou que Beto Albuquerque, quando secretário de Infraestrutura do Estado, também fez viagens ao exterior bancadas por empresas que detinham contratos com o poder público. Quando a notícia surgiu, Beto já não era secretário - tinha deixado a gestão petista para reforçar a bancada do PSB na Câmara Federal.

Despertei e não poderia continuar a dormir; BH, 060102013.

Despertei e não poderia continuar a dormir 
E como dormir com os sons da natureza a 
Chamarem-me, para as brincadeiras da 
Vida? e a vida é coisa séria para quem é
Vivo; mas para nós, a natureza e
Eu, a vida é rir, é sorrir, gargalhar,
Brincar, levar na flauta; não
Podemos ser sérios, somos crianças
E o que criança quer, é ser criança;
E há os que não querem que as
Crianças sejam crianças; há os que
Detestam crianças e fazem questão,
De demonstrar de todos os jeitos
E maneiras e com gestos e com
Proibições e com atos de violências
E aversões; as crianças são os únicos
Seres que têm entrada franca nos
Céus; e a maior felicidade da
Minha vida, foi quando despertei
E vi que era criança, pequenino,
Daquele que Jesus Cristo menino gosta;
Despertei-me criança, daquela ssingela
Que, Jesus Cristo conclamou: deixai vir a
Mim os pequeninos, não os impeçais,
Pois dos tais é o reino dos céus; e
Foi com esta felicidade que despertei
Criança, que pecado pode haver
Numa criança? despertei, só dormirei
Novamente quando tornar-me homem,
Enquanto criança, estarei sempre
Desperto, a deixar dormir o homem.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Enquanto todos vivem lá fora ao sol; BH, 060102013.

Enquanto todos vivem lá fora ao sol,
No azul do céu, abençoados pelo firmamento,
Preso aqui neste cubículo, tento viver
Nestas linhas imaginárias, que o universo
Desconhece; todos saem para a clareza do
Dia, para a transparência do ar, a maravilha
Da vida; e aqui a penar, com a pena na mão,
A fingir a mim mesmo que vivo; as palmeiras
Olham-me de cima, através dos vidros e
Não compreendem nada; as amendoeiras,
Silenciosas, é que são motivos de vida aos
Passarinhos; o vento balança devagar, não
Quer assustar o dia e não ouço cachorros e
Nem galinhas: percebo que não ouço nada;
Os roncos dos automóveis, os roncos das
Motocicletas matam as equalizações da
Natureza; e percebo que não percebo mais a
Natureza, espigões assustam-me e pessoas
Desprezam-me; percebo que não amo nada
Disso que todos amam, não amo nada do
Que está perto; amo o que está distante, a
Distância, a lonjura, amo justamente, o que
Ninguém mais ama; que coisa esquisita e
Estranha que sou, todo mundo ama tudo
E não amo nada; que coisa estúpida e
Ignorante que sou, todo mundo quer tudo
E não quero nada; e contento-me com o
Mínimo, como posso ser tão bizarro e
Bisonho? contento-me com uma caneta, uma
Folha de papel e penso que sou o máximo.

Verdade seja dita não encontrei nada; BH, 060102013.

Verdade seja dita não encontrei nada 
Nem nas letras, nas palavras, ou
Mentira seja dita: não tenho letras,
Não tenho palavras, não tenho
Palavra; o que acontece com todo
Mundo, é o que acontece comigo;
Não há fuga do destino e nem
Escapatória de fim de história;
Faço uso destas coisas, pois pensava
Encontrar nelas, as respostas das
Perguntas, que todos fazemos a
Tudo; e depois de tantas vacilações,
Verifiquei que, não resolvi, faltou-me
Soluções, perdi resoluções; mas,
Uma força leva-me às letras, uma
Atração prende-me às palavras,
Como um encantamento, onde
Falta explicação; e foi a minha maior
Alegria, o primeiro dia em que li, e
Lembro-me muito bem, a bendita
Dessa hora: foi como se a luz
Entrasse em mim; e aprendi a ler
Tarde, não li precocemente e tudo
Que aprendi, sempre foi tardiamente;
É o que faz-me apelar às letras
E apelar às palavras, na ânsia de
Encontrar as causas de tanto
Retardamento; e se as letras têm
Poder, as palavras são poder,
Aspiro encontrar nelas a minha cura;
Encher-me de sanidade, mostrar-me
Sarado e sem mais nenhuma
Vacilação a prostrar-me ao chão,
Como reles folhas de relvas daninhas.