quinta-feira, 16 de abril de 2015

Verdade seja dita não encontrei nada; BH, 060102013.

Verdade seja dita não encontrei nada 
Nem nas letras, nas palavras, ou
Mentira seja dita: não tenho letras,
Não tenho palavras, não tenho
Palavra; o que acontece com todo
Mundo, é o que acontece comigo;
Não há fuga do destino e nem
Escapatória de fim de história;
Faço uso destas coisas, pois pensava
Encontrar nelas, as respostas das
Perguntas, que todos fazemos a
Tudo; e depois de tantas vacilações,
Verifiquei que, não resolvi, faltou-me
Soluções, perdi resoluções; mas,
Uma força leva-me às letras, uma
Atração prende-me às palavras,
Como um encantamento, onde
Falta explicação; e foi a minha maior
Alegria, o primeiro dia em que li, e
Lembro-me muito bem, a bendita
Dessa hora: foi como se a luz
Entrasse em mim; e aprendi a ler
Tarde, não li precocemente e tudo
Que aprendi, sempre foi tardiamente;
É o que faz-me apelar às letras
E apelar às palavras, na ânsia de
Encontrar as causas de tanto
Retardamento; e se as letras têm
Poder, as palavras são poder,
Aspiro encontrar nelas a minha cura;
Encher-me de sanidade, mostrar-me
Sarado e sem mais nenhuma
Vacilação a prostrar-me ao chão,
Como reles folhas de relvas daninhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário