terça-feira, 31 de março de 2015

Não estou com vontade; BH, 02901202012.

Não estou com vontade, mas é porque
Não nasci com vontade e nem nasci;
Quem nasce, tem vontade de nascer e
Ânimo, quem nasce tem potência de
Poder e poder; não quis nascer com
Querer, não sei porque e não fui eu
Quem quis nascer; alguém quis por mim,
Alguém quis um espermatozoide, alguém
Quis um óvulo, só eu que não quis nada;
E agora quem está aqui a pagar o pato
Por tudo sou eu, o único que estava
Fora de tudo, da história, dos atos, dos
Gestos, dos jeitos; o único que não quis,
Agora é obrigado a querer violentamente
Tudo; e é obrigado a querer até a
Salvação, quando quer desesperadamente
A perdição; E torno-me insociável com os
Associáveis, torno-me ruide e sem
Gentileza; com educação de colonizado,
Cultura de colonizado, ninguém quererá
Que eu seja clonado, duplicado; se um de
Mim, é um chute no saco, dois de mim,
Seria o quê? moeram-me como se eu
Fosse café torrado, socaram-me no pilão,
Com a mão, como se eu fosse assim uma
Espécie de grão; e sou é uma graúna, uma
Gralha, uma tralha, uma talha da minha
Avó, cheia de geringonças dela; minha
Avó, que levo o destino dela, não teve
Nem o direito de morrer, e eu?

Alain Delon e como fui apaixonado; BH, 02901202012.

Alain Delon e como fui apaixonado
Pelo Alain Delon; e Marlene Dietrich
E era uma paixão invejosa, uma
Paixão de querer ser o astro; nos
Tempos em que o cinema era cinema,
Colecionávamos figurinhas dos grandes
Atores franceses, dos seus filmes, dos seus
Modos, com imitações, posturas e
Composturas e atitudes; atualmente,
A rotatividade é tão louca, que não
Há tempo de firmar num astro uma
Referência; e a cada dia surge uma cara
Nova na mídia e tem que ser cara
Bonita, estereotipada, sarada, plastificada;
Nem é necessário talento; o talento é a
Beleza do ator, ou atriz, que sem fazerem
Uma escala numa escola, não estudaram,
Não estudam, ou estudarão os grandes
Autores e intérpretes; não conhecem
A cultura humanística e universal, põem
As cara e bocas nas telinhas e nas
Telonas, os corpos plastificados nas
Revistas e o sucesso está garantido; e
Jean-Luc Godard, Pedro Almodovar,
Luis Buñuel do cinema universal são
Desprezados; os que fazem arte,
Obras-primas, obras de arte e pensam,
São trocados pelos Adônis, Apolos,
Narcisos e quem acaba por perder é
O que se pede a cultura e perde a
Própria vida; mas, não podemos nos
Deixar abater, é resistir, é adotar
Postura de terrorismo cultural; o que não
For cultura, lata do lixo da história nacional,
Como deveríamos fazer com a mídia venal.

domingo, 29 de março de 2015

ROCK POP ANOS 80 NACIONAL - BY DJ EDDY

Qual será o candidato do PSDB; BH, 0280301215.

Qual será o candidato do PSDB, Partido da
Social Democracia Brasileira, à presidência da
República Federativa do Brasil, nas próximas
Eleições de 2018? o pior senador de 2014,
Segundo Veja, o ex-governador de Minas
Gerais, Aécio Neves, com seu falso choque
De gestão, sua herança maldita, que quebrou
O estado e deixou uma dívida impagável de
Bilhões de reais, seus aeroportos fajutos, nas
Terras dos parentes, seus desvios de verbas
Bilionárias da saúde e para as contas particulares
Da família? ou o governador de São Paulo,
Geraldo Alckmin, com seu descaso com a
Educação, com a segurança, com a falta d'água,
Com o caos total no qual se encontra o estado
De São Paulo, inclusive com grande reflexo
Negativo no PIB, Produto Interno Bruto,
Brasileiro? o que nos faz até pensar em que,
Todo castigo para paulista e paulistano é
Pouco; ou José Serra e sua inoperância na
Vida pública, seus projetos inacabados, seus
Trensalões e sua subserviência aos capitais
Estrangeiros e aos  governos dos USA? ou o
FHC, o famigerado nefasto Fernando
Henrique Cardoso, o Príncipe da Privataria,
Sua Privataria Tucana, suas fazendas, seus
Apartamentos milionários e os escândalos de
Corrupções abafados e engavetados?
Realmente, a direitona escrota brasileira, o
PIG, o Partido da Imprensa Golpista, (Globo,
Veja, Folha, Estadão, etc), estão ferrados,
Não têm candidatos competitivos; o Joaquim
Barbosa voltou ao limbo de conde o Lula,
Luiz Inácio Lula da Silva, o havia tirado; e o
Novo herói, o Sérgio Moro e seu tribunal de
Exceção, suas delações premiadas, por lei
Sancionada pela Presidenta Dilma Vana
Rousseff, sua busca incansável de condenar o
PT, Partido dos Trabalhadores e tirá-lo do
Páreo eletoral, não darão resultados; qual
Será o nome, então, que apresentarão ao
Povo? nós já temos os nosso nome, moldado
E escaldado nas lutas sociais e com a alcunha
De melhor Presidente da República Federativa
Do Brasil de todos os tempos, Luiz Inácio
Lula da Silva, que é o verdadeiro guerreiro
Do povo real, o povo  trabalhador brasileiro.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Com chave de ouro e é assim que; BH, 02901202012.

Com chave de ouro e é assim que,
Pretendo fechar este ano, com chave
De ouro; e abrir o próximo, com
Chave de platina, diamante e
Outras pérolas; saúde para quem é
Idoso, sem plano, alquebrado, senil,
Caquético, é o entrave; o tempo é
Enfado e o tédio é quebrado
Com o deslizar da caneta, nas faces
Das folhas de papel; e com dor nas
Juntas, com coceiras pelo couro,
Com ardências no rabo e o avançado
Estado fisiológico totalmente
Descontrolado, é fechar este ano
Velho, com o velho no ano novo; e
Beber uma, já que desta vida não
Levamos nada; e beber outras, já
Que o tempo não estará do lado,
Mas montado no cangote; e beber
Mais uma e outras, pois o universo,
Não conspira em nada a meu favor;
E por favor, se for para o asilo, que
Seja um asilo, que tenha um bar ao
Lado; o bar sempre esteve ao meu
Lado, com todas as sutilezas e
Reminiscências; e o estalo que
Espero há séculos, acabou de ser
Dado, agora, aqui dentro de minha
Cabeça; quase ensurdeceu-me,
Mas era o que esperava, desde a
Minha infância; e era o que a minha
Mãe mais pedia a Deus em suas
Orações, meu desencantamento
Para as coisas.

Nem sempre a beleza de uma obra; BH, 02901202012.

Nem sempre a beleza de uma obra
Está nos adjetivo, ou melhor, a
Beleza de uma obra-prima, nunca
Está nas adjetivações; e rchear um
Texto dessa maneira, é o mesmo
Que, encher embutidos; para chamar
Uma obra de arte literária,
Às vezes é necessário usar as piores
Palavras dos vocabulários; nem todas
As letras tópicas, tornam um escrito
Típico; uma escritura muito enfeitada,
Torna-se atípica; reverencio letras,
Reverencio palavras e se elas se firmarem
Com nobreza, estarei contentado;
Melhor não há, do que consagrar
As profanas, para que façam parte
Do santuário; e deveriam ser
Todas reverendas reverenciadas
E pronunciadas com respeito de nobreza
De sacerdotes; e lidas com estilo de
Alto nível e de elevado teor; é no salvar
As letras, as palavras, que são as
Demonstrações de uma civilidade; e
Por mais que queiramos ser mudos,
Não gostarmos de falar, a atitude é
O pronunciamento, de boca bem cheia,
De todas as sílabas; penso que o francês,
Prima por essa característica e não
Gosta de ver seus fonemas descaracterizados;
E o francês está certo, do contrário, a
Cultura alienígena põe fim à cultura
Nacional, o que não pode jamais acontecer.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Madrugada, Street Shopping Planalto; BH, 02901202012.

De onde tirarei forças? de onde tirarei
Cor para o meu sangue? quero ir, dar
Um passo adiante, chegar ao seguinte
Instante e não passo da linha do
Horizonte; de onde tirarei asas para o
Meu voo? e voar mais alto do que o
Ícaro e não cair; quero flutuar, levitar
E sou mais pesado do que o ar; de
Onde tirarei alicerce para os meus
Pés? firmeza para as minhas mãos? e
Minha voz sem argumento, de onde
Retirará argumentação? calo-me sem
Respostas, calo-me sem solução; de
Onde tirarei letras, palavras, não tenho
Mais de onde; quebrei as cordas
Vocais e os tendões que sustentavam-me
De pé; de onde tirarei verbos, substantivos
Para sustentarem minha ânsia? que
Desespero de filme sem roteiro; é o
Mesmo que uma escola de samba sem
Samba enredo; de onde tirarei cheiro
Para a minha alma? como retirarei o
Mofo do meu espírito? e de onde tirarei
Protagonismo, pragmatismo, afeição,
De onde tirarei afeição? não tenho
Mais letras misteriosas, não tenho
Mais palavras secretas, com segredos
Absurdos; de onde tirarei, se não
Tenho mais nada para tirar? de onde
Tirarei o fôlego final? o último suspiro?
O soluço fatal? de onde resistirei às
Investidas das ondas tenebrosas do
Mar? e se cair na água, não sei nadar.

domingo, 22 de março de 2015

Madrugada, Street Shopping Planalto; BH, 02901202012.

Sozinho e em apuros, meu coração é
Só flagelo, é seca de sertão nordestino,
Em que a esperança não nasceu; os
Rebanhos que possuía, morreram de sede
E aconteceu, igualzinho à história da
Asa Branca, mas, o verde dos olhos dela,
Não se espalhou na plantação do meu
Coração; nem uma mão se fechou em
Torno dele, quanto mais duas, a protegê-lo,
Como se protege um coração enfraquecido
E vira areia quando não é tempestade
De areia; e vira água quando não
É temporal e vira vento furioso,
Quando não é vendaval; e vira
Redemoinho, quando não é furacão;
O que posso mais fazer por este coração tão
Solitário, que não tem o amparo de
Um coração solidário? abandonado pela
Sorte, adotado pelo azar, batizado
Pela morte; faltou-lhe classe ao adquirir
Musculatura e passou a bombear esta
Indefinição; e cheio de dúvida, com
Certeza, mudou-se para debaixo duma
Pedra de mala e cuia, gamela e
Alforge, embornal e capanga; e quer,
Sem competência, estrutura para tanto,
Abarcar todo o sofrimento da humanidade;
E diz que ama demais, que é amor
E quem acredita neste coração mudo?
Nem o mundo imundo do mundo cão;
E neste coração sem investimento,
Ninguém busca reunir com joelho velho.

Madrugada, Street Shopping Planalto; BH, 02901202012.

Perdi tempo demais, desde o dia
Em que nasci, perdi tempo demais;
Estava num planeta água e não
Morria afogado, hoje vivo ao ar
Livre e morro sufocado; deficiente,
Desabitado de dons, ermo de
Sentidos, por nada neste mundo,
Adquiri qualidades de vivo,
Só as de defunto; penso inda
Resistir, lutar até o fim, implorar
Ao deus da inspiração, por alguma
Percepção, para entender e discernir 
E não perder mais tempo aqui; nem
Mais um segundo e ganhar o mundo,
Como todo ser merecedor dele; é a esperança
Que me resta, salvar as sobras do meu
Tempo, os restos dos meus dias; nem
Tudo posso deixar perder assim, por
Mais incompetente que seja, se não
Fizer por onde recuperar, buscar em
Local incerto, se pode haver ciscos
Nos terreiros e de cisco por cisco,
Fazer uma juntada, pois debaixo
Desses ciscos, como debaixo das pedras,
Sempre pode haver vida; e como
Procuro vida, tenho que procurá-la,
Nos lugares mais inusitados, até
Debaixo das lápides dos sepulcros,
Onde estava Lázaro; e nesta busca em
Tempo do tempo perdido, chego à
Conclusão, que só o tive de verdade,
Quando estava no útero do planeta água.

Quando voltar à verve perdida; BH, 0190302015.

Quando voltar à verve perdida
Ao veio da lavra do catafalco
Aos caminhos esquecidos
Às cidades fantasmas
Ao fim do caos
Ao início do fim
E for uma fuligem no limbo
Uma ferrugem no eixo inoxidável do universo
Na órbita insondável do infinito
No nada das dimensões imaginadas
E onde a imaginação não consegue imaginar
E o pensamento não consegue pensar
Ou o ser existir
O poeta não retornará ao pó
Será o átomo que nunca será partido num novo choque de universos
Ou no maior acelerador de partículas já criado por alienígenas
O poeta é um extra-terrestre invisível
Uma nave imperceptível aos mais modernos radares
E mais sensíveis sensores
De motor movido a âmbar
A espermacete de cachalotes fossilizados
E voará da centrípeta para a centrífuga
E da centrífuga para a centrípeta
Vetor de rotor
Da máquina geradora do núcleo solar
Do sol rei de todos os sóis
Pai dos quasares
E dos pulsares mais distantes
Mãe das estrelas das constelações dos aglomerados de galáxias
Que a cada segundo interestelar gera bilhões de aglomerados
De astros de luzes próprias que pingam iguais lágrimas de
Infelicidade de um buraco negro
Que capta o tempo
E não capta o poeta
Por sua energia maior
Por seu campo de gravidade superior
Por sua força de atração
Da qual o buraco negro foge de emoção
De sentimento
De poesia
De sentido
De direção em direção
O poeta é partícula de Deus
A matéria-prima que o demônio queria ser formado
Ao ser amaldiçoado
Quando foi descoberto
Seu desejo de querer ser poeta
E não foi permitido
No dia em que o espírito do verbo bradou
Haja poesia
Muito mesmo antes de bradar
Haja luz
Haja noite
Haja dia.

quarta-feira, 18 de março de 2015

É um crime e um crime hediondo e indigno; BH, 02701202012.

É um crime e um crime hediondo e indigno 
E digno de punição por pena de morte, passar
Um dia todo, sem imortalizar uma letra,
Sem legar uma palavra à posteridade;
É um crime inafiançável, perder um dia
Na vida, assim, à toa e as letras aí e
Abandonadas  e as palavras aí e
Apagadas, esquecidas das bocas, das
Línguas, dos idiomas; as palavras que,
Muitos, nem as pronunciamos mais; e
O mais triste é que nem me envergonho
Com a minha intuição, deixo-a passar
Batida e desprezo a minha premonição
E reminiscência; não tenho como passar
Por inocente, depois de assassinar o
Tempo inutilmente; e nem tenho como
Aparentar cara de ingênuo, com todo
Este porte de marginal; e inda fico a
Sonhar e na verdade, mereço só
Pesadelos; sonâmbulo, não durmo e
Quando durmo, funâmbulo num
Féretro, que carregado por fúnebres,
Não despertam com o réquiem;
Dissimulei para dissuadi-los dos
Crimes que cometo na inércia; e dizem
Que Drummond é que era preguiçoso;
Que estupidez que às vezes dizem
E não aparece um filho da mãe, para
Contestar tal ignorância; o nosso mais
Sagrado profano, que, tantas letras e
Palavras canonizou e vem um a querer
Bestificar seu santuário, nem vem, hein?

segunda-feira, 16 de março de 2015

Uma loucura unânime tomou conta de alguns; BH, 0160302015.

Uma loucura unânime tomou conta de alguns
Setores reacionários da nação e vários
Monstros adormecidos pela história, combatidos
Pela humanidade, de repente, devido a onda
Geral de insanidade, ressuscitaram no horizonte:
Nazismo, ditadura, intervenções militares e
Estrangeiras, monarquia, preconceitos,
Sectarismos, manipulações midiáticas,
Proselitismos às penas de morte em vias
Públicas, enforcamentos, linchamentos e todo
Tipo de ódio explícito; a luta contra a corrupção,
Os corruptores, corruptos e os corrompidos,
Não pode levar o País à ilegalidade, ao caos
Social, ao desemprego e total instabilidade;
Quem perdeu as últimas eleições, deve aceitar
A derrota democrática nas urnas e esperar
As próximas, para uma nova concorrência;
Aos que insuflam a massa, não interessam a
Democracia, sempre estiveram do lado dos
Ditadores, dos opressores, dos poderosos,
Dos donos dos capitais e sempre desprezaram
O povo, principalmente o povo trabalhador
Brasileiro; os que agitam a ordem pública,
Nunca defenderam as liberdades, o combate
À pobreza; e quem ganhou as eleições, deve
Aproveitar o momento e afagar àqueles que
A elegeram; e esquecer as medidas duras e
Neoliberais, aumentos de impostos; e fazer a
Lei dos meios de comunicação, melhorar o
Relacionamento e ir mais de encontro aos
Anseios do povo; carta branca e total franquia,
Inclusive de atuações até parciais, onde só o
Partido dos Trabalhadores é investigado, a
Polícia Federal e o Ministério Público Federal
Têm demais; as instituições, todas, funcionam
Sem pressões, de forma republicana, como
Nunca se viu em outros tempos; e desde que
Nos temos por gentes, nunca vimos um
Combate tão assíduo à corrupção, nunca mais
Se jogou nada para debaixo dos tapetes, ou
Para os fundos das gavetas, como se fazia
Nos governos de antigamente; no mais,
Parabenizemos à Presidente Dilma Vana
Rousseff pela postura de estadista, diante
De ataques tão covardes e mentirosos.

sábado, 14 de março de 2015

Todo homem fraco nunca tem certeza de nada; BH, 02501202012.

Todo homem fraco nunca tem certeza de nada
E nada num mar tenebroso de
Dúvidas; não afirma, não confirma e
Dissimula qualquer pensamento e
Controverso em toda opinião, todo
Homem fraco é um mar morto; e nada
Aprofunda, em tudo é superficial, boia,
Não finca os pés na terra, anda como se
Andasse a pisar em ovos; não tem
Fundamento no ideal e nem peso nas
Ideias; todo homem fraco nunca é um
Fato e é sempre um boato; habita
Terrenos arenosos, areias movediças,
Ou locais pantanosos; quer sempre ser
Digno de pena, pede tudo em nome da
Caridade, implora, suplica, clama,
Reclama, pede ajuda por tudo e por
Nada; todo homem fraco é antes de mais
Nada, um fingido; se finge de doente, de
Morto, de impotente e arranja todo tipo
De desculpa para nunca fazer nada; não
Assume e some e some e não assume
E em todo homem fraco, tudo nele é
Fraco e a Coca-Cola dele é o nosso
Guaraná misturado com o nosso café,
Que é a fórmula mais bem guardada do
Mundo e que mais dinheiro rende ao
Redor do planeta; o homem fraco não
Percebe nada, não tem discernimento,
Não tem sentido e nem percepção;
Pede para se ter dó dele, que tem dó de
Todo mundo e não passa dum vagabundo.

quarta-feira, 11 de março de 2015

O mais importante ao ser humano; BH, 02501202012.

O mais importante ao ser humano,
É levantar-se do chão; levantei-me do chão,
No útero de minha mãe e caminhei pelas
Sendas, veredas, vales; minha gaia mãe
Pariu-me do próprio barro, assoprou-me
As narinas e deu-me de mamar nas tetas
Universais; saí do rés do chão quando
Nasci e aprendi a caminhar; aprendi a
Ler as órbitas planetárias e a decifrar
Cada estrela; orgulho-me de minha mãe
Ter-me passado a sabedoria e amamentava-me
A chamar-me de filho sábio; e recém-nascido,
Já percebia os ensinamentos, os mandamentos
E os testamentos de minha mãe, os velhos e os
Novos; e abria os olhos, movia a cabeça, a mão
Do infinito embalava meu berço; cada dia era
Um, um dia era outro e firmei minhas pegadas
Na placenta do firmamento; cheguei às estrelas
Com a minha corda de alpinista, em alguns
Abismos minha sombra fez escada para mim,
Em outros, fez ponte; e quando o monte não
Atravessava-me, atravessava o monte; cada
Planeta que nasceu junto comigo, berrava, o
Mais novo, balia, todos à espera do leite da
Nossa mãe Via-Láctea; quando a humanidade
Levantar-se do chão, com as próprias pernas,
De uma livre pensadora, também irá às alturas;
E deixará de se preocupar com as ervas
Daninhas, as relvas rasteiras das agruras
Humanas; a humanidade aprender a viver,
A ser uma raça humana, é levantar-se do
Chão, como já fizeram as mais elevadas
Civilizações, que hoje brincam conosco.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Mãos e onde estão vossas unhas? BH, 02501202012.

Mãos e onde estão vossas unhas? lá nas pedreiras,
No fragor do alcantil, nas escarpas das serras;
Nas pedreiras, no fragor do alcantil, nas escarpas
Das serras? sim e nos paredões dos penhascos;
O que fizestes de vossas unhas? somos poetas,
Não somos deuses, não tínhamos fogo para
Escrever nossos mandamentos e usamos as
Unhas; e quais são os vossos mandamentos?
Estão lá, nas rochas vivas maciças, encravados,
Usamos o nosso sangue por tinta; e que ditais
Em vossos mandamentos? ditamos que a
Humanidade precisará escalar as rochosas
Puras, os rochedos nus, para lê-los, tal os
Escalamos para escrevê-los; e valerá a pena
Para a humanidade, escalar tão alto, para ler
Mandamentos? toda escalada a um alto, por si
Só, vale a pena, uma escalada para os altos dos
Montes reverendos, para os cimos consagrados,
Fará com que a humanidade, passe a pensar em
Aprender a viver; veneráveis mãos ensanguentadas,
Dedos poéticos, ditais as regras para as novas
Gerações vindouras, vossos mandamentos serão
Os nossos mandamentos; e se um dia, a
Humanidade chegar às alturas, levantar-se do
Chão, é porque ganhou a condição de ler os
Mandamentos e inda aprisioná-los; mãos, nós
Humanos teremos, então, essa chance? tereis e
Avieis vossos passos, o entardecer urge e em
Breve, a noite engolirá o universo.

quarta-feira, 4 de março de 2015

DIA 13 DE MARÇO – DIA NACIONAL DE LUTA EM DEFESA:


DIA 13 DE MARÇO – DIA NACIONAL DE LUTA EM DEFESA:

- Dos Direitos da Classe Trabalhadora

- Da Petrobrás

- Da Democracia

- Da Reforma Política 



CONTRA O RETROCESSO!

TODOS NA PAULISTA
Avenida Paulista, 901
Horário: a partir das 16h00

Um dos maiores desafios dos movimentos sindical e social hoje é defender, de forma unificada e organizada, o projeto de desenvolvimento econômico com distribuição de renda, justiça e inclusão social. É defender uma Nação mais justa para todos.

Defender os Direitos da Classe Trabalhadora

A agenda dos trabalhadores que queremos ver implementada no Brasil é a agenda do desenvolvimento, com geração de emprego e renda.

Governo nenhum pode mexer nos direitos da classe trabalhadora. Quem ousou duvidar da nossa capacidade de organização e mobilização já viu do que somos capazes.

Defender os trabalhadores é lutar contra medidas de ajuste fiscal que prejudicam a classe trabalhadora.

As MPs 664 e 665, que restringem o acesso ao seguro desemprego, ao abono salarial, pensão por morte e auxílio-doença, são ataques a direitos duramente conquistados pela classe trabalhadora.

Se o governo quer combater fraudes, deve aprimorar a fiscalização; se quer combater a alta taxa de rotatividade, que taxe as empresas onde os índices de demissão imotivada são mais altos do que as empresas do setor, e que ratifique a Convenção 158 da OIT.

Lutaremos também contra o PL 4330, que da maneira como está impostolibera a terceirização ilimitada para as empresas, aumentando osubemprego, reduzindo os salários e colocando em risco a vida dos/as trabalhadores/as. 

Defender a Petrobrás

Defender a Petrobrás é defender a empresa que mais investe no Brasil – mais de R$ 300 milhões por dia – e que representa 13% do PIB Nacional. É defender mais e melhores empregos e avanços tecnológicos. É defender uma Nação mais justa e igualitária.

Defender a Petrobrás é defender um projeto de desenvolvimento do Brasil, com mais investimentos em saúde, educação, geração de empregos, investimentos em tecnologia e formação profissional. 

Defender a Petrobrás é defender ativos estratégicos para o Brasil. É defender um patrimônio que pertence a todos os brasileiros e a todas as brasileiras. É defender nosso maior instrumento de implantação de políticas públicas que beneficiam toda a sociedade.

Defender a Petrobrás é, também, defender a punição de funcionários de alto escalão envolvidos em atos de corrupção. Exigimos que todos os denunciados sejam investigados e, comprovados os crimes, sejam punidos com os rigores da lei. Tanto os corruptores, como os corruptos.  A bandeira contra a corrupção é dos movimentos social e sindical. Nós nunca tivemos medo da verdade.

Defender a Petrobrás é não permitir que as empresas nacionais sejam inviabilizadas para dar lugar a empresas estrangeiras. Essas empresas brasileiras detêm tecnologia de ponta empregada na construção das maiores obras no Brasil e no exterior.

Defender a Democracia – Defender Reforma Política

Fomos às ruas para acabar com a ditadura militar e conquistar a redemocratização do País. Democracia pressupõe o direito e o respeito às decisões do povo, em especial, as dos resultados eleitorais. A Constituição deve ser respeitada.    

Precisamos aperfeiçoar a nossa democracia, valorizando a participação do povo e tirando a influência do poder econômico sobre nosso processo eleitoral.

Para combater a corrupção entre dirigentes empresariais e políticos, temos de fazer a Reforma Política e acabar de uma vez por todas com o financiamento empresarial das campanhas eleitorais. A democracia deve representar o Povo. Não cabe às grandes empresas e as corporações aliciar candidatos e políticos para que sirvam como representantes de seus interesses  empresariais em detrimento das necessidades do povo.

No dia 13 de março vamos mobilizar e organizar nossas bases, garantir a nossa agenda e mostrar a força dos movimentos sindical e social. Só assim conseguiremos colocar o Brasil na rota de crescimento econômico com inclusão social, ampliação de direitos e aprofundamento de nossa democracia.

Estamos em alerta, mobilizados e organizados, prontos para ir às ruas de todo o país defender a democracia e os interesses da classe trabalhadora e da sociedade sempre que afrontarem a liberdade e atacarem os direitos dos/as trabalhadores/as.

Não aceitaremos retrocesso!

CUT – Central Única dos Trabalhadores
FUP – Federação Única dos Petroleiros
CTB – Central dos Trabalhadores do Brasil
UGT – União Geral dos Trabalhadores
NCST – Nova Central Sindical dos Trabalhadores
CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros
UNE – União Nacional dos Estudantes
MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra
CMP – Central dos Movimentos Populares 
MAB – Movimento de Atingidos por Barragem 
LEVANTE Popular da Juventude 
FAF – Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar
MNPR – Movimento Nacional das Populações de Rua
FDE – Fora do Eixo
MÍDIA Ninja

terça-feira, 3 de março de 2015