domingo, 22 de março de 2015

Madrugada, Street Shopping Planalto; BH, 02901202012.

Perdi tempo demais, desde o dia
Em que nasci, perdi tempo demais;
Estava num planeta água e não
Morria afogado, hoje vivo ao ar
Livre e morro sufocado; deficiente,
Desabitado de dons, ermo de
Sentidos, por nada neste mundo,
Adquiri qualidades de vivo,
Só as de defunto; penso inda
Resistir, lutar até o fim, implorar
Ao deus da inspiração, por alguma
Percepção, para entender e discernir 
E não perder mais tempo aqui; nem
Mais um segundo e ganhar o mundo,
Como todo ser merecedor dele; é a esperança
Que me resta, salvar as sobras do meu
Tempo, os restos dos meus dias; nem
Tudo posso deixar perder assim, por
Mais incompetente que seja, se não
Fizer por onde recuperar, buscar em
Local incerto, se pode haver ciscos
Nos terreiros e de cisco por cisco,
Fazer uma juntada, pois debaixo
Desses ciscos, como debaixo das pedras,
Sempre pode haver vida; e como
Procuro vida, tenho que procurá-la,
Nos lugares mais inusitados, até
Debaixo das lápides dos sepulcros,
Onde estava Lázaro; e nesta busca em
Tempo do tempo perdido, chego à
Conclusão, que só o tive de verdade,
Quando estava no útero do planeta água.

Nenhum comentário:

Postar um comentário