terça-feira, 3 de setembro de 2013

O único dom que um dia; BH, 01101201999.

O único dom que um dia,
Por acaso me procuraria ter,
É em escrever coisas belas,
Tipo Pessoa e Drummond,
Manoel de Barros e Cruz e Souza
E aquele beija-flor que vejo agora,
Neste exato momento,
Daqui da janela da sala;
Acrediteis quem quiser,
Por enquanto contento-me,
Em sobreviver na agonia,
Na angústia e na cegueira;
Não saber ver de perto,
Não saber enxergar de longe
E nem entender o universo,
Por mais simples e transparente,
Que as coisas parecem ser;
Fecho-me no meu casulo,
Na complexidade do meu ser
E no contexto da minha existência;
Não consigo abrir a mão,
Clarear a mente,
Elevar a voz,
Ser límpido igual a luz;
E sofro na ignorância,
Sofro na escuridão das trevas,
Na mágoa do meu olhar,
Na mudez do meu grito;
Espero um dia despertar,
Juntamente com o amanhecer
E brilhar igual ao sol,
Até ao entardecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário