quinta-feira, 12 de julho de 2012

Cruz e Souz, Assim seja; BH, 0120702012.

Fecha os olhos e morre calmamente!
Morre sereno do Dever cumprido!
Nem o mais leve, nem um só gemido
Traia, sequer, o teu Sentir latente.

Morre com alma leal, clarividente,
Da Crença errando no Vergel florido
E 
o Pensamento pelos céus brandido
Como um gládio soberbo e refulgente.

Vai abrindo sacrário por sacrário
Do teu Sonho no templo imaginário,
Na hora glacial da negra Morte imensa…

Morre com o teu Dever!
Na alta 
confiança de quem triunfou e sabe
Quem descansa desdenhando de toda a Recompensa!

Nenhum comentário:

Postar um comentário