sábado, 2 de novembro de 2013

Nelson Sargento, De boteco em boteco.









Vou de boteco em boteco
bebendo a valer
na ansia de esconder
as dores do meu coração
conselhos não adiantam
estou no final
perdi o 
perdi a moral
meu caso não tem solução
Vou de boteco em boteco
bebendo a valer
na ansia de esconder
as dores do meu coração
conselhos não adiantam
estou no final
perdi o 
perdi a moral
meu caso não tem solução
eu bebo de mais pro meu tamanho
arranjo brigas e sempre apanho
isso me faz infeliz
entro no boteco
pra afogar a alma
as garrafas então batem palmas
me embriado
elas pedem bis
entro no boteco
pra afogar a alma
as garrafas então batem palmas
me embriado
elas pedem bis
Vou de boteco em boteco
bebendo a valer
na ansia de esconder
as dores do meu coração
conselhos não adiantam
estou no final
perdi o 
perdi a moral
meu caso não tem solução
eu bebo de mais pro meu tamanho
arranjo brigas e sempre apanho
isso me faz infeliz
entro no boteco
pra afogar a alma
as garrafas então batem palmas
me embriado
elas pedem bis
entro no boteco
pra afogar a alma
as garrafas então batem palmas
me embriado
elas pedem bis

Nenhum comentário:

Postar um comentário