sexta-feira, 9 de maio de 2014

Não meu coração não é cemitério; BH, 02701002000.

Não meu coração não é cemitério,
Não é um terreno onde se enterram e guardam mortos,
Não é lugar onde a morte faz muitas vítimas 
E escolheu para a sua morada;
E está mais para cenáculo,
Mais para a sala onde os antigos comiam a ceia
E para o lugar onde Jesus Cristo ceou pela última vez
Com os seus discípulos
E está mais para o lugar adequado,
De reunião de pessoas,
Que professam as mesmas ideias,
Ou visam a um mesmo fim: a vida;
Vida serena,
Vida tranquila,
Sem cena de dar um escândalo
E fazer uma muda como a designação do cinema sem sons e falas;
É o cenário para uma ópera,
Para uma obra lírica,
Para um lance e passagem de uma peça
E de um acontecimento;
É o espectador de qualquer ação,
Acontecida dentro do seu âmbito de visão;
Não é cego e enxerga toda representação e toda
Direção de ato em peça teatral;
Tem conjunto de vistas reproduzidas,
Objetos objetivos;
Tem noções apropriadas aos fatos que se representam na televisão,
Existe cemento em meu coração ao firmar o amor;
Existe substância rica em carbônio que interfere na cementação,
A mesma que entra na composição dos dentes de alguns mamíferos,
Tudo para cementar a paz;
E submeter ao processo termo químico de endurecimento
Das camadas externas de certas peças de metal,
Especialmente aço para diminuir o seu desgaste,
Não acontece com o meu coração;
É celuloso e provido e dividido de células,
E não interage igual ao celulósico,
Composto orgânico que é o componente principal
Da parte sólida dos vegetais,
Especialmente das paredes de suas células e das
Células das fibras a constituir a matéria-prima do
Papel e a entrar também na composição do algodão-pólvora,
A celulose obtida pela mistura de celuloide,
Da cânfora e que pela fusão à baixa temperatura se torna
Muito maleável e elástica e translúcida,
A ser altamente inflamável;
Não, meu coração não é uma chapa,
Não é uma placa,
Uma folha metálica,
Um plano e parte de composição tipográfica arrumada
Para impressão;
Não é um lugar comum,
Com conjunto de candidatos,
A cargo eletivo e negativo fotográfico,
Dentadura postiça;
É de pessoa amiga e camarada,
Não pensa em mudar de assunto,
Fala em cheio de amor;
De terra e de área de terreno,
De assoalho e de solo;
Não age rasteiro e nem tem ar de vulgar,
É simples e horizontal,
Plano e lhano feito de chão;
Não faz chantagem e nem carrega espírito chantagista,
Para extorquir dinheiro, ou obter vantagem mediante ameaça;
Sabe como cortar obliquamente qualquer vestígio
De desequilíbrio ao normal;
Sabe chanfrar o mal e tem a especial chanfradura,
De isolar com efeito a alma com defeito e o espírito malfeito;
Não se sente uma espada velha e
Nem age como coisa imprestável;
Não, não é um coração de chanfalho,
De espetáculo grosseiro e de pouco valor artístico,
Uma palhaçada ou uma chanchada;
É um chanceler,
Um ministro responsável pela chancelaria;
Um ministro chefe das relações exteriores,
Com sede administrativa de embaixada e secretaria de estado;
Carrega a minha chancela,
A minha assinatura gravada em carimbo,
Minha própria aprovação;
E é por isso que a cada dia,
Dou uma nova chance ao meu coração,
Dou nova oportunidade;
E meto o pé grande na vaidade,
Meto o meu calçado largo e tosco na inveja;
Meto a chanca na ambição,
Não há chamusco em emu coração,
Não há tempo para chamuscar,
Para sentir cheiro de coisa queimada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário