terça-feira, 10 de junho de 2014

No estado de São Paulo; BH, 0100602014.

No estado de São Paulo e tanto quanto na capital,
São Paulo, não há muito o que se fazer;
Presos em selvagens selvas de pedras,
Favelas violentas
E aglomerados do submundo
Controlados pelo crime;
E em condomínios luxuosos blindados,
Vivem sem opções de um mundo melhor;
E corações iguais ao de Fernando Haddad,
Alexandre Padilha, não brotam;
Acostumados com as práticas de Paulo Maluf,
Celso Pitta, José Serra, Gilberto Kassab
E Geraldo Alckmin,
Seres desprovidos de quaisquer sentidos sociais;
Dominados por um veneno midiático maléfico,
Capaz de matar o progresso de uma Luiza Erundina,
Um Eduardo Suplicy, ou um Luiz Inácio Lula da Silva;
Dificilmente a sensibilidade da Presidenta Dilma Vana
Rousseff furará esse bloqueio de concreto
Tão conservador e atrasado e estúpido;
Lá é campo fértil para o Aécio Neves,
Fala a linguagem deles,
Do capital e do neoliberalismo e da globalização;
Lá não há mais espaço para as transformações
Sociais e a valorização do trabalhador,
Da mulher e do negro e de todas as outras minorias;
Lá o coração do Partido dos Trabalhadores,
Teria que se endurecer e perder a ternura;
Não só ter o apoio de Paulo Maluf,
Mas fazer o que o Paulo Maluf fez
E o que fizeram os demais:
Pitta, Serra, Kassab e o que faz o Alckmin;
É isso que ganha os corações paulistas
E paulistanos e das periferias;
E esse jogo o Partido dos Trabalhadores
Não sabe jogar.

12 comentários:

  1. "E esse jogo o Partido dos Trabalhadores
    Não sabe jogar."
    Não sabe. E você não imagina como isso me conforta e tranquiliza.

    SQN. Dessa vez vai dar Padilha. Boto fé.

    Gostei de seu Poema. Me toca.

    ResponderExcluir
  2. Como paulista, só posso dizer: é a mais pura verdade ( infelizmente para mim e alguns outros paulistas como eu)

    ResponderExcluir
  3. Parece que o paulista espera uma tragédia para ficar convencido em mudar, este veneno, droga viciante, que domina nosso estado. Até os rios estão insuportavelmente cheirando a corrupção. Eu peço que as forças do bem não deixe que uma tragédia caia sobre nós para que os paulista abram seus olhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais do que a da água? Do metrô? que tragédia mais o paulista espera? Quando o rico colocar seu filho em escola pública o PSDB pagará melhor o professor. Quando o rico não usar masi carro blindado ou seguranção particular então o PSDB valorizará o policial. Quando o corte de água deixar a periferia e for nos jardins o PSDB irá gerir a SABESP. O que acontece em SP é que o governo fez um muro para proteger a elite. A elite manda nos jornais e TV e o povo acredita mais no que diz a imprensa do que ele mesmo sente. O povo acha bonito as estradas de SP sem saber o quanto ela custou e o que poderia ter sido feito com o excesso. A elite vende bem seu peixe e o povo quando protesta leva porrada. Desenvolveu um medo. Estamos fadados a viver ainda, ao menos em SP, no passado da casa-grande e senzala. São Paulo só acordará quando perder o bonde pros estados do norte e nordeste. Quem sabe daí o povo vá de pau-de-arara pra lá e seremos "os novos baianos" na mais suja realidade dessa palavra tão usada pelo povo paulistano e paulista. Me envergonha ter nascido aqui mas continuarei lutando.

      Excluir
    2. Luiz, o que mais percebo de estarrecedor é dizer ódio ao trabalhador; meu pai foi trabalhador, ferroviário; minha mãe comerciante; meus tios lavradores; como odiar quem trabalha? e amar Serra, Aécio, que nunca trabalharam na vida?

      Excluir
    3. Ivan. Meus pais agora votam no PT. Mas foi preciso que eu tentasse manter uma conversa aberta com eles. Por anos eles nem queriam ouvir. Depois, lentamente foram argumentando e aceitando argumentações. O desrespeito a classe trabalhadora foi onde eu consegui mostrar a eles a necessidade de mudança. Então houve um insigth. Mas como fazer isso com toda uma população? Não sei! É uma luta desigual. Mas sigamos lutando. Quem sabe um dia?

      Excluir
    4. Luiz, meu pai é falecido, foi preso político e voltou da cadeia totalmente lavado, abominava qualquer greve; minha mãe, hoje, aos 97, vive longe da luta, mas enquanto pode, fazia questão de ir votar no PT; agredeço as palavras e as manifestações, forte abraço!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. O INICIO DESSE SEPARATISMOS TEM DATA HISTÓRICA, 09 DE JULHO DE 1932, DIA EM QUE SÃO PAULO TENTOU ACABAR COM O BRASIL, IMPONDO UMA CONSTITUIÇÃO DE POUCAS PÁGINAS, DAÍ EM DIANTE AMESQUINHA E SE NUTRE DE PERIÓDICOS E JORNALÕES, QUE COM A PERMISSÃO DO POVO PAULISTA, TENTAM DEDRRUBAR QUALQUER GOVERNO QUE NÃO ESTEJA NO PENSAMENTO NAZISTA DOS PODEROSOS CAIPIRAS DO INTERIOR DE SÃO PAULO, POR QUE SURJEM OS ALCKMINS, OS COVAS, OS QUERCIAS, OS MALUFS, OS KASSABS? ROUBAM E TODOS RENOVAM SEUS VOTOS, ESSE CICLO VICIOSO DO ELEITORADO PAULISTA FAZ PARTE DE UMA CONSCIÊNCIA HOSPEDEIRA QUE É CRAVADA NO DNA POLÍTICO PAULISTA, A ÚNICA COISA QUE SE SALVA POLITICAMENTE EM SÃO PAULO É A GARRA DA PERIFERIA DA CAPITAL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pela manifestação, Luiz, um grande abraço!

      Excluir