quinta-feira, 28 de abril de 2011

Olho de vidro (Modinha IX)

Meu olho de vidro quando te viu,
Quebrou em mil pedaços, pois tua imagem,
Era tão bela, que refletida em meu olho,
Ele ficou louco, e foi tanta a emoção,
Que ele quebrou, e caiu no chão;
Minha garganta muda, num esforço tremendo,
Pronunciou teu nome, e minha boca seca,
Tornou-se molhada, só em pensar de te beijar;
Minhas grossas mãos começaram a tremer,
Com vontade de te acariciar; e meu corpo,
Para dentro do teu, logo quis entrar; minha
Alma ardente de amor puro, beijou tua alma,
Que alegre ficou, e de mãos dadas, fomos
Pelo mundo, a andar e cantar, a amar e a
Beijar; meu olho de vidro, quando te viu,
De emoção ele riu; minha alma se abriu e
Iluminou em meu peito a alegria que entrou;
E todo eu, era tudo amor; com um gesto de
Santa tu me abraçaste, e nos teus jeitos de
Amar, nos cacos do meu olho de vidro,
Vi o mundo parar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário