segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Patagônia, 927, 10; BH, 0310802011.

Os ventos trazem das noites tantas cenas
De cinema, que fico a assisti-los,
Quando as passam para mim;
Hora são homens elegantes de
Fraques e cartolas; outras vezes
Gigantes silenciosos que puxam
Sacos atrás de si; e figuras que
Param diante de mim e ficam
A olhar-me, como se nunca
Tivessem me visto; são tantas cenas
De cinema que vislumbro que maravilho;
Ciclopes com seus carneiros, guerreiros da
Odisseia em suas batalhas sangrentas,
As viagens das Ilíadas com seus
Navios de guerras, seus marinheiros
Destemidos; Penélope passa na
Névoa, Argos passeia nos gramados
Dos jardins; Telêmaco desdenha
Dos pretendentes, que tentam sem
Sucesso, disparar a flecha no arco:
Só o mendigo é o que consegue;
Dispara o arco de Ulisses e Penélope
Tece e desfaz o manto, depois
De chorar atrás das sombras; nos
Banquetes são devorados os porcos
Abatidos e após são abatidos os
Pretendentes, com todos passados
Aos fios das espadas por pai e filho;
Argos morto ali de alegria ao
Reconhecer o dono que volta da Odisseia
Ao lar, depois de pelejas incontáveis;
Os ventos são livros de histórias,
São salas de cinemas, são teatros,
Arenas de gladiadores; são orquestras
De concertos de câmaras; são trilhas
Sonoras de músicas clássicas, sacras
E de músicas profanas, os ventos são.

Nenhum comentário:

Postar um comentário