sábado, 27 de outubro de 2012

Patagônia, 927, 23; BH, 0801202011.

Um tiro calou-me pela culatra,
Pensei que era uma mulata e
Era uma travesti ingrata; um
Solo de piano acordou-me, fez-me
Levitar; levou-me nas ondas dos ventos
Serenos e orvalhados, como as águas
Mais profundas do fundo do oceano;
E veio do mar para mim uma
Miragem; chegou junto com os
Fantasmas da noite, e os ectoplasmas
Da madrugada; um grito fez-me
Ecoar pelas pradarias; bati de
Rocha em rocha a pensar que
Era una porta; nas falésias
Gestei faunos, entes mitológicos
E habitantes espirituais de florestas
Africanas; no entorno de mim,
Johann Sebastian Bach, Ludwig
Van Beethoven e um Heitor Villa-
Lobo, cheio de Bachianas Brasileiras,
A rodearem-me com as baianas das
Escolas de Samba, e dos acarajés;
Meu pai Preto Velho, meus tios mortos
Anônimos; e minha missão é
Dar-lhes nomes em todos os nomes
Do universo; minhas avós indígenas
De tribos extintas em nome do
Progresso e da civilização; e até
Da religião, que pecado sem tamanho?
Meu John Lennon, neste dia sagrado,
Ao ser assassinado por um robô
Humano da CIA, do FBI, quero
Reverenciar a ti; os USA, não têm
Homens bombas, mas têm robôs
Humanos a matarem seus não
Simpatizantes, em qualquer
Parte do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário