quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Street Shopping Planalto, 3; BH, 0200802011.

Fiquei de olho aceso na costa, a
Iluminar o mar, para que as
Quilhas das naus não se rompam nos
Escolhos; muitas perdidas naus inda
Vagam por esses mares tenebrosos a procura
De caminhos marítimos, em busca  de
Especiarias, tesouros e terras à vista;
Fiquei no porto, sentinela, atalaia,
A velar pelas velas desfraldadas, pelos
Mastros rompidos, pelas proas e popas históricas,
Esquecidas nos fundos dos oceanos
Desconhecidos; passei por canais que
Ligam mares, que ligam cabos, que
Ligam terras, continentes; vi nas
Frestas universais os antepassados
Das minhas avós; olhavam para mim
Com brilhos nos olhos e iluminavam
Minhas sendas; enfrentaram monstros
Marinhos que me despertavam do
Sono e faziam-me chamar por
Meus pais; fiquei de madrugada para
Ver minha avó passar, rente à parede de ondas
E a clamar por minha mãe que
Não me batesse mais não; minha
Mãe não atendia, nem pelo amor
De Deus; minha avó tentava ser
A minha salvação; fiquei de peito
Aberto a cantar cantigas que os antigos
Escravos cantavam e quis aprender
Com eles todos os cantos negros e
Trazê-los livres na minha voz; e
Trazê-los livres nos meus braços;
Fiquei libertador de almas escravas,
A espera nas encruzilhadas, nas areias das praias,
Por serenatas, que as façam recordar,
Dos antigos terreiros maternais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário