quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Quando que irei resolver alguma coisa na vida?; BH, 0260402001.

Quando que irei resolver alguma coisa na vida? 
E encarregar-me de algo?
Incumbir-me de responsabilidade? quando
Irei investir na faculdade de agir? e
Alguém delegará e transmitirá, por delegação
Ou não, poderes a mim? não sou o que tem a
Seu cargo, no serviço público, dependente de
Autoridade superior; abomino qualquer
Autoridade, principalmente as que servem
À burguesia e à elite; aos ricos e poderosos;
Abomino comissário e não ufano-me por
Não ser um emissário ou um enviado ou
Aquele que é autorizado por outrem
Para representá-lo; detesto delegacia,
O cargo e a jurisdição de delegado, e o
Local aonde funciona; não quero, também,
O ato pelo qual, eu, um devedor, transfiro
Uma dívida para outro responsável;
Não posso fazer a cessão e nem a cedência
A alguém por minha decadência, e fujo
Da comissão que dá a alguém o direito
De agir em nome de quem a confere;
Não tenho competência, não tenho
Capacidade e sou consciente disto;
Alcaguete sórdido, x-9, dedo duro, delator
Silvério dos Reis e aquele que delata,
Perto de mim é herói; perto dele não sou
Mártir e para delatar sou um delambido;
Para denunciar um indivíduo afetado, para
Indicar como autor de algum ato ou crime
Sou presumido; requebrado para revelar,
Presunçoso para desvendar; é o que regozija-me
Ao dedurar, até afetar-me ao dedo-durar;
Lamber-me de satisfação, igual ao delamber
De um cão; a delacrimação de uma criança
Desmamada; o lacrimejamento com
Abundância de lágrimas para sustentar
A mentira com dejúrio, com juramento
Solene, mente, fala que é culpa dela, e
Deixa dejungir o certo; deixa desjungir
O correto, e não envergonha-se; sabe
Que é um dejetório, que é uma latrina
Aonde toda a sociedade vem dejetar, fazer
Dejeção e defecar em cima; e mesmo
Assim faz o dejejuar, o quebrar o jejum, com
Toda a pompa de quem, não tem
Culpa no cartório.

Nenhum comentário:

Postar um comentário