segunda-feira, 30 de maio de 2011

A tarde se vai; RJ, 0240401987.

A tarde se vai,
A noite desce,
Vem a Lua,
O Sol se esconde,
Vêm as estrelas,
Os pássaros fogem,
Os morcegos saem das tocas,
Em seus voos cegos;
Os pirilampos brilham
Na escuridão;
Que assombração,
Os fantasmas vagam
Pelos cemitérios
E as almas perdidas,
Desencarnadas e feridas,
Rastejam no ar;
A atmosfera noturna,
Soprou um vento gélido,
Tipo um silêncio sepulcral;
Mas não faz mal,
O dia já passou
E estou aqui,
O dito cujo espírito quebrantado,
Com o coração compungido,
De copo na mão,
A reclamar que a cerveja está quente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário