quinta-feira, 22 de outubro de 2015

MIKIO, 29; BH, 0110202013.

Escreves, sabes escrever, nós, aqui, leigos,
Temos que tirar o chapéu, escreves, não
És nenhum Pero Vaz de Caminha, um
Luiz de Camões, um Padre Vieira, ou um
Gil Vicente, mas, escreves e é o que
Interessa; não és um Antônio Nobre, um
Eça de Queirós, mas, tendes a verve das
Escrituras; tendes os veios das letras e das
Palavras sagradas e consagradas e até os
Segredos das profanas; e digo para ti o
Que ninguém diz, escreves, não desistas,
Não és um Fernando Pessoa, nem o
Fernando, nem o Pessoa e nenhum dos
Que eles tiraram do limbo, mas, escreves;
Não és um José Saramago, nem José, nem
Sara a tua escrita e nem és um Mago; mas,
Escreves, tens as inspirações celestiais,
Tens os limites universais e nada te faltará,
Quando quiseres escrever; escreves, sabes
Escrever, apesar de saberes ser arte inútil;
A escrita já não traz mais aquela sensação,
Não excita como antigamente e nem traz
Mais luz aos que vivem cegamente; nem a
Nós, que somos os amantes dela, ela já não
Nos reconhece mais, finge, esquiva-se e
Fica cada vez mais erradia; mas, não
Desanimes, vamos em busca dela, com
Aperfeiçoamento, com teima de perfeição,
Pois, é a única arte onde vale a pena ser
Perfeito, é com a pena; escreves, tens
Consciência e é o que importa, nesta
Época de tão grande falta de consciência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário