quinta-feira, 8 de junho de 2017

A sociedade brasileira está doente e talvez pior; BH, 080602017.

A sociedade brasileira está doente e talvez pior,
Gravemente ferida de morte; e pessimistas, não
Sentimos melhoras da paciente, está na UTI, 
Unidade de Tratamento Intensivo e não há 
Médicos especializados na patologia dela, 
Capazes de salvá-la, só há monstros; pela 
Primeira vez de 500 anos de Brasil, nos 
Principais governos trabalhistas, a sociedade
Brasileira deu uma avançada, uma avançada 
Sem encargos para a nação que, também teve
Um bom desenvolvimento no governo de 
Juscelino Kubtischek que, porém, nos legou 
Brasília, suas mordomias, maracutaias, suas 
Tenebrosas transações, sua elite, burguesia e os 
Altos custos de manutenção, para o povo 
Trabalhador brasileiro; a máquina desse 
Elefante branco é pavorosa, no único pecado 
De JK; qual povo aguentaria carregar nas 
Costas, uma camarilha de deputados parasitas,
Um senado pária e fedido, uma camarilha 
Distrital de vermes e sanguessugas; um poder
Executivo dispendioso, um judiciário oneroso, 
De grandes salários, que fica aquém das 
Expectativas na sua atuação; e quando uma
Mídia desqualificada, prega abertamente o 
Conservadorismo, o boicote à Democracia,
Manipula, desinforma, desrespeita, como 
Fazem o PIG, Partido da Imprensa Golpista,
As televisões, com a Rede Globo como 
Cabeça desse mal terminal que, extermina a 
Sociedade brasileira, como um tiro de 
Misericórdia, é o fim da esperança; e esses
Terroristas que, vilipendiam a sociedade 
Brasileira, não encontram resistências, se 
Entrincheiram nos partidões da direita, no 
Meio contaminado por artistas de novelas,
Cantores sertanejos, roqueiros superados,
Humoristas decadentes, religiosos hipócritas,
Católicos, ou evangélicos e que colaboram 
Com a sufocação do povo; e o que era 
Livre, moderno, real, vira agora uma 
Cloaca, uma fossa, um esgoto de vergonha 
Perante o mundo; e chacinas aleatórias,
Extermínios de jovens, sem terras, índios,
Numa dependência e morte, no lugar de
Uma referência de liberdade sem igual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário