segunda-feira, 26 de junho de 2017

Porque escreves tanto assim rapaz? BH, 0240602017.

Porque escreves tanto assim rapaz?
Chega já é demais; é que procuro no escuro,
A consagração das minhas letras, a perfeição
Das minhas palavras, nas trevas frias; se 
Procurasses ouro, prata, incenso, mirra,
Encontrarias em manjedouras de estrebarias;
Há os que procuram pérolas no meio dos 
Porcos, conforto no meio dos ratos, holofotes
Entre os mortos e prefiro esmiuçar as infinitas
Letras e contar as incontáveis palavras; 
Queres muito pouco, ou quase nada, melhor
É contar dinheiro, o restante é poeira na 
Estrada; contarei estrelas, que valem mais, 
Colecionarei universos, a ti, deixarei os 
Bens materiais; fala como se fosses profeta,
Sacerdote superior, assecla dalgum deus;
Conclusões tuas, tenho medo, de tornar-me
Também, um iscariote, a engolir moedas, 
Como se fosse um cofre; tenho é pena de ti,
Pobre diabo, não tens nem o que comer
E queres embriagar-te? com toda licença 
Poética, sem falsa modéstia na poesia, nem
Só de pão vive o homem, não transformarei
Água em vinho, como querias; compilas 
Versículos alheios, se queres pelo menos a 
Altura do urubu, tira tu, algo novo do baú;
Estás a cobrar-me como uma cobra, a ser 
Exigente tal a uma serpente, vil igual a um 
Réptil, comigo não é assim e tudo flui 
Naturalmente; mentes igual a todo mentiroso,
Não respeitas velho, a tua idade, mentes 
Até quando falas a verdade? todos fingimos
E nunca quis dizer que seja dono de nada,
Quanto mais da verdade; não perderei mais
O meu tempo, com quem não pode dar-me
Nenhum; perdeste tempo porque quiseste,
Por ventura nas minhas reminiscências,
Prometi-te algum? afasta-te com teu bodum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário