segunda-feira, 19 de junho de 2017

Para que tantas letras? para que tantas palavras? BH, 01º01102000; Publicado: BH, 0210902014.

Para que tantas letras? para que tantas palavras?
Tantas frases? se vivêssemos duas vezes mais, do
Que, o homem que, mais anos viveu na história,
Nunca as usaríamos todas; para que tantas
Fórmulas? para que tantas teses? tantas teorias, tantas leis,
Sistemas e equações? se em toda a nossa
Vida nunca saberíamos como usá-las? para
Que tantas coisas, meu Deus, como se não nos
Bastássemos a água, o ar, a terra, o fogo, pois,
Se vivêssemos dez vezes mais não aprenderíamos
A encher nossas vidas vazias e inúteis e frágeis?
Muita gente pensa que sabe tudo, que resolve
Tudo, que pergunta tudo e que tem respostas
E soluções para todos os problemas e que
Independente de tudo que acontece no
Planeta, é feliz e nem quer se importar
Com os semelhantes que à maioria das vezes,
Não tem a mesma sorte, o mesmo destino, a
Mesma ideia, o mesmo ideal; para que
Tantas enciclopédias, tantos livros, bibliotecas e
Complexos de informática, pois se não aprendemos
A usar tudo isso? a viver, a amar, a encontrar
A paz? de nada nos valerá, de nada nos
Fará crescer e evoluir, para que tantas ambições?
Para que tanto egoísmo? para que tanto orgulho?
Se não sabemos ceder, não sabemos abrir as mãos,
Não sabemos nunca criar; somos mudos, não sabemos
Falar, somos cegos, não sabemos ver, enxergar?
Não temos comportamento, moral, ética, razão;
Não temos nada, por mais cifras que possamos ter
Em nossas contas correntes, mais vale uma inspiração,
Do que cem séculos de ilusão; mais vale um
Lapso de razão, do que mil anos de contradição,
Mais vale um momento de inteligência, do que
Uma eternidade de escuridão; para que
Tantas estrelas no céu, se nunca seremos
Uma constelação? para que o sol, se não
Merecemos nenhum raio de luz? para que
A lua, se não temos paixão, se não mais
Sabemos namorar? para que o firmamento,
Se não temos mais fé? para que a verdade,
Se só nos interessamos pela mentira? pela
Falsidade? para que a liberdade, se
Fazemos questão de vivermos presos aos
Dogmas do passado? aos tabus e complexos?
Para que a liberdade, se fazemos questão
De nos acorrentar, de nos prender cada vez
Mais aos bens materiais? à vida física, opaca?
Para que tanto para que, se nunca nós
Teremos as respostas e os porquês? não venceremos
A nossa vil ignorância, não venceremos o
Nosso medo, não encontraremos a realidade;
A covardia da nossa vaidade, nos
Tolhemos por nos preocupar com o pensamento
Alheio e não colocamos em prática, em evidência
O nosso próprio pensamento: só as mágoas, os
Rancores, as dores, as vinganças, as invejas,
Os únicos maus instintos; as negatividades, o nosso
Lado escuro, cuja luz nunca fez questão de nos habitar,
Para nos diferenciar dos outros demais animais.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário