sábado, 24 de junho de 2017

Busco desoprimir as emoções que querem estrangular-me; BH, 0190402001; Publicado: BH, 020902014.

Busco desoprimir as emoções que querem estrangular-me,
Busco aliviar os sofrimentos,
Soltar os pensamentos
E desligar do ajoujo,
Igual aos animais;
Busco desunir-me da vida material
E desajoujar os sentimentos que querem ferir-me,
Matar e ocultar tudo que parte de mim;
Tornam-me inconveniente,
Dizem que não é assim;
Tornam-me indecoroso,
Falam que é ruim,
De teor desairoso,
E que só causam-me o desdoroso;
Vexame nas esquinas,
Falta de decoro nos bares;
Inconveniência nas ruas
E que sigo sempre vazio de elegância
E de distinção;
E realmente, tento afastar o
Desaire, tento viver longe do que quer
Tirar o merecimento do que sai de mim;
Que posso fazer para não desairar? não
Gritar enraivecido como o falcão privado
De carne? e querem amansar-me ao privar-me
De mim; não deixarei que venham
Desairar-me em hipótese alguma;
Não sou uma doença nos cascos dos
Cavalos, não sofro de desainadura;
Um ser a agastar-se com outro é fácil,
Um ente a contender, a rixar é mais fácil
Ainda; uma pessoa desaguirar com
Outra é rápido: o difícil é amar,
É despejar-se em elogios; vazar-se
Para encher um semelhante, descarregar-se,
Lançar-se e entrar em alguém,
Igual a água de um rio no mar,
Num lago, ou no leito de outro rio;
Podes enxugar as tuas lágrimas, não
Chorarei mais por mim; podes esgotar
A água do teu corpo, não irei desaguar
Em texto algum; um dia irão talvez
Dissociar-me, alguém quererá, imagino,
Desafrontar-me e vingar as injustiças
Que sofro; e a emendar o agravo do
Juiz inferior, ao dar provimento com
Satisfação ao reparar a ofensa e o insulto.




Nenhum comentário:

Postar um comentário