segunda-feira, 26 de junho de 2017

E nada modificou-me e meu mundo continuou pequeno; BH, 0200602017.

E nada modificou-me e meu mundo continuou pequeno,
Um ruído, um sussurro, um murundu, um entulho; e 
Nada metamorfoseou-me, igreja, estado, sociedade,
Só pioraram-me, deram-me maus exemplos, péssimos
Comportamentos, mídias, poderes, políticos, profissionais;
Medíocre sigo na estupidez e na ignorância, a rir, idiota, 
Imbecil, das coisas, a olhar embevecido as violências,
Os desrespeitos, os preconceitos, os ódios, os fascistas,
Os direitistas, os homofóbicos, os misóginos e pedófilos;
E compactuo com as injustiças, justifico linchamentos,
Achincalhes de reputações e não questiono os formadores
De opiniões; sempre no mesmo métier cotidiano, o mais
Do mesmo simplório, simples e superficial; e tenho que,
Aquiescer também, os meus semelhantes e assemelhados,
Amestrado até com os dessemelhantes; e faço ouvidos 
Moucos, de mercador, engulo a língua, sapos e com 
Sangue de barata, não tenho onde enfiar a cara, desajeitado,
Deselegante, desequilibrado, mal educado e desmoderado;
R critico direitos humanos, sem-terras, sem-tetos, quilombolas,
Índios, políticas sociais, combate à fome, ao desemprego e à
Pobreza; e critico governos trabalhistas, o trabalhismo e os 
Trabalhadores, como se fossem socialistas, comunistas,
Bolivarianos, cubanos, na minha visão distorcida, hipócrita 
E de retrovisor e não envergonho-me destes meus maus 
Pensamentos, estes pseudo discernimentos irracionais, que,
Igualam-me aos animais, ou que, às vezes fazem-me 
Superá-los em aberrações; e não observo perspectivas de
Um dia evoluir, amar, querer ser feliz e propagar a 
Felicidade e a cada dia que passa, busco mais é a frieza,
Como um urso polar a geleira da pré-história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário