domingo, 23 de março de 2014

Meu jovem e o que fazes numa mulher; BH, 01501202013.

Meu jovem e o que fazes numa mulher
E em mulher não se bate nem com uma
Flor; sai para lá, velho caduco,
Em briga de casal não se mete;
E não estou mesmo a me meter
Nessa briga, só estou a pedir-te,
Para não bater na mulher; é
Minha esposa e bato nela,
Quantas vezes quiser e já te avisei,
Para não te meteres, ou apanharás também;
Espera aí, meu jovem, só quero
O teu bem, não sou grosseiro e
Nem sem educação e em mim tu
Não bates; não bato é uma ova,
Queres ver? toma e toma e toma;
E toma e toma e toma mais, sua
Vagabunda; e quero saber quem mais
Que quer apanhar aí? meu jovem,
Sabes o que é isto em minha mão?
É uma Magnum 765, sou um
Velho, um ancião caduco, mas,
Lúcido o suficiente, para fazer
De ti um defunto e não terás
Nem tempo de ter o último pensamento;
E na calçada aqui da Voluntários da
Pátria, deixarei estendido o teu corpo,
Como monumento a todos os espancadores
De mulheres; e foi assim, que o pintor
Iberê Camargo, pôs fim à vida, de
Um agressor de mulher, na
Maravilhosa cidade do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário