quinta-feira, 20 de março de 2014

Passar diante dum monumento; BH, 0801202013.

Passar diante dum monumento
E não ter a mínima curiosidade,
Não ter um pulsar de pulso fraco,
Não ter um bater de pálpebras,
Não é passar diante dum monumento,
É estar mais morto do que o monumento;

E se esse monumento for uma montanha?
E se esse monumento for um colosso?
E se esse monumento for uma maravilha?
Se passares diante dele pequeno,
Como se não passasses diante dele,
Sairás menor de diante dele;

Passar perante uma duna milenar
E não ter um suspiro,
Passar perante uma pirâmide
E não ter um soluço,
Não é passar diante duma pirâmide,
Não é passar diante duma duna;

Passar num cais
E não sentir as pedras,
Passar num porto
E não vislumbrar as naus,
Passar num outeiro
E não vivenciar os castelos?

Não é passar,
É voltar sem ter ido,
É rastejar e andar sem deixar pegadas,
Voar sem deixar rastos no ar 
E pelo menos um olhar,
É para se deixar nas vistas das pradarias;

Pelo menos uma miragem,
É para se imaginar na paisagem 
E numa pincelada de cílios e pestanas,
Imortalizar nas retinas ciganas
As belas artes das telas das falésias,
Que tanto encantam aos artistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário