terça-feira, 29 de março de 2011

Arthur Rimbaud, Cabeça de fauno; BH, 0290302011.

Na ramagem, escrínio verde e informe,
Na ramagem, manchada de ouro e flores
Esplendorosas onde o beijo dorme,
Vivo e partindo insólitos lavores,

Um fauno aflora os olhos e o chavelho
E morde a rubra flor com dentes brancos.
Lisa e sangrente como um vinho velho
No bosque a boca explode em risos brancos.

E quando então fugiu - como um esquilo -
Seu riso ainda em cada folha oscila;
Vê-se o pisco assustar o então tranquilo
Beijo-de-ouro do Bosque, que se afila.

Nenhum comentário:

Postar um comentário