quarta-feira, 31 de agosto de 2011

José Ignácio Pereira, Meandros; BH, 0310802011.

Entrei no labirinto da memória,
Sem nome, sem razão e sem protesto.
Talvez quisesse alcnçar no gesto
Consoladora paz à luta inglória.

Ruínas contemplei da ilusória
Servidão do tenebroso manifesto.
De lá só trouxe nada mais que o resto
Que há de ser o meu pavor à glória.

Me encontro redimido de mim mesmo.
Se vida tenho, não a lanço a esmo.
Do amor que não me mova a vã procura.

Entrei na gruta escura da minha alma
Como mendigo que suplicia a calma
E a benção luminosa da ternura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário