sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Gosto do a que sou; BH, 090102000.

Gosto do a que sou,
Substantivo masculino predominante,
Vogal oral, primeira do alfabeto,
Ao corresponder ao alfa grego
E ao alef semita;
Que tanto primitivamente,
Foi escrita no inverso do universo,
Quando os gregos e os latinos,
Deram-lhe a posição atual;
Quantas vezes na história,
Foi escrita inclinada,
Donde se originou,
A forma arredondada
E em música de melodia,
Representou a nota lá,
No segredo da sinfonia;
E em química o símbolo do argônio,
Que destoou a agonia;
Gosto do artigo definido feminino de o,
Donde deriva-se do demonstrativo latino illa (m);
Nos primeiros tempos da língua foi lá,
Hoje está para cá,
A reduzir-se depois a a,
A deixar ao vestígio pela (per-la)
E respeito o pronome pessoal,
Do singular femino,
Do caso oblíquo
E o pronome demonstrativo,
Equivalente a aquele;
É a mesma forma de articular,
Mas com função de pronome pessoal
Ou de substantivo;
Foi escrita no período arcaico, la
Forma que aparece verbi gratia,
No por exemplo após o infinito,
Vou vê-la tão bela,
Chamá-la de meu amor,
A conjunção coordenativa latim ac,
E corresponde a e nas locuções adverbiais,
Gosto assim de todos os ais de amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário