quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A última volta do mundo; RJ, 0120701995.

A última volta do mundo,
Chegou agora o momento,
É a última volta do mundo;
Não vale a pena correr,
À velocidade da luz,
O tempo já se esgotou;
Onde é o esconderijo,
O bunker de concreto,
O transatlântico,
A mansão à beira do lago;
É a última volta do relógio,
Não precisa olhar as horas,
Não marca o enterro,
Sem sepulturas,
Sem flores;
É a noite eterna,
Sem lua e sem estrelas;
O sol já se escondeu,
Atrás das minhas pálpebras;
E as crianças,
As mães,
As mulheres,
É a última volta do mundo;
Para aonde vais?
Deixas endereço e telefone;
O mundo vai cair no abismo,
Saiu de órbita,
Deu de cara com o buraco negro;
Rastejou igual a um verme,
Não tomou atitude,
Agora é mais do que tarde,
Nada detém o mundo;
Nem todo o ódio possível,
Nem todo impossível amor;
Faças logo teus negócios,
Despeças dos teus vizinhos;
É a última volta,
A tua grande chance,
Não teremos outra oportunidade igual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário