quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Hoje pago por meus erros; RJ, 0150250301988.

Hoje pago por meus erros,
Confesso que errei,
Errei por não saber superar,
Os meus próprios complexos,
Os meus próprios tabus,
Preconceitos e dogmas;
Errei por não saber superar,
Os meus próprios erros,
Por não saber superar,
A mim mesmo;
Hoje pago duro
Por meu defeitos;
A minha reduzida inteligência,
A minha falta de capacidade,
Não me deixam atingir
O rumo da felicidade;
Não sinto o gosto
Do que é ser feliz,
Do que é ser paz,
Do que é ser amor;
Não sinto o gosto do saber
E volto atrás,
E vou adiante;
E hoje confesso que errei,
Que vivi no erro
E nunca acertei;
Errei por não saber ser,
Por não saber ser tudo
Por não saber ser nada
E por não saber sair
Da prisão que é a minha cabeça;
Do medo que tenho,
E da covardia infinita,
Que se apoderou de mim;
Como superar este abismo?
Como transpor esta ponte?
Como equilibrar nesta corda bamba,
Que é a minha mente flagelada?
Como conviver comigo?
Com esta falta de razão?
Com esta falta de solução?
Para a minha existência;
Confesso que estou indignado,
Constrangido e contrito;
Confesso que estou desesperado,
A nata do desespero,
Diante das coisas;
Hoje pago por meus erros,
Confesso que errei,
Errei por não saber superar,
A dor imensa, profunda,
Que rege meu coração,
Um coração sem compasso,
Que bate sem ritmo,
Capenga e aleijado,
Que precisa de uma muleta,
Para poder andar;
Confesso que errei,
Não valeu a pena confessar,
Não mudou nada,
Não mudei em nada;
E podeis até assinar,
O meu atestado de óbito;
Estava morto,
E não sabia;
Estava errado,
E não sabia;
E não encontrei
A minha solução.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário