domingo, 28 de fevereiro de 2016

Qual o teu trabalho bandido; BH, 01501102012.

Qual o teu trabalho bandido,
 O que roubas, o que assaltas, o que te levas a 
Cometer tantos crimes? roubo o Universo,
Assalto as belezas, as riquezas que encontro
No bojo dele; ladrão, o que fazes então,
Com o que encontras na barriga do 
Universo? algumas coisas, meu velho 
Coração transforma em poesias, outras,
Meus organismos geram poemas e é a 
Satisfação desta vida de delinquente
Que levo; és um assaltante reincidente,
Tua folha corrida é infinita, tuas
Condenações ultrapassam ao limite
Das penas impostas e não terás Habeas
Corpus, muito menos preventivo; 
Cumprirei pena em regime fechado,
Minha liberdade independe de cadeias,
Presídios, penitenciárias e de onde estou,
Saio de noite, ou de dia, a cometer os 
Meus roubos nos cofres guardados dos
Planetas errantes; daí desta cela 
Solitária, onde jaz preso, poucos
Aventuraram uma fuga; não fugirei,
Fugas só as de Bach, quanto mais
Inviolável a prisão, mais livre sou
E mais roubo nas noites, nas madrugadas
E mais rico fico; haja jurisprudência
Ao teu caso, a Suprema Corte analisará
O pedido de redução de pena impetrado
Por teus advogados; não quero redução 
De pena, pois tenho pena demais de  
Todos vós e aqui permanecerei, rio 
Com nascente em direção à foz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário