quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Quando tu me abandonaste; BH, 01º0502000.

Quando tu me abandonaste,
Aumentou em muito minha angialgia;
Senti tamanha dor num trajeto
De um vaso sanguíneo, que nem
O angevino do Anju de França,
Foi capaz de diminuir a dor;
Era tanto o êxtase no meu estado
Angialgico, que me perdi num
Angical simples, de um bosque
De angico, que com tanta aflição,
Quase me matou a angiectasia:
Denominação genérica das
Dilatações patológicas dos vasos sanguíneos;
Volta enquanto é tempo
E acaba com meu quadro angiectásico;
Volta enquanto é tempo
E regulariza a situação angiectática;
Não suporto mais a angiectopia, a
Anomalia do meu vaso sanguíneo;
Sou todo uma angite só;
Venha me curar, não consigo respirar;
Estou asfixiante, anginoso;
Foi assim que tu me deixaste;
E assim queres me matar;
Queres secar meu angio, do grego aggeion,
Meu complexo linfático,
Como num câncer terminal;
Com todo o conhecimento angiográfico,
Com todo o mapa angiológico,
Adquirir um angioma maligno,
Tumor formado pela proliferação linfática,
Uma angiopatia fatal,
Que causa angiosclerose angiopática,
Ao passar pela angiose de uma arteriosclerose,
Pela denominação genérica das doenças
Que têm a sua sede no sistema vascular e é
Acabar por morrer antes da tua volta
Ou antes de terminar meu depoimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário