sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Amanhã quero uma poesia e se ontem; BH, 0290802013.

Amanhã quero uma poesia e se ontem 
A poesia não me quis e hoje a poesia
Não me quer, mal me quer e bem não
Me quer, amanhã quero uma poesia; a 
Musa nunca me deixa realizar meu sonho
E por pesadelo, só me manda um poema,
Que é um desmazelo; se fosse vontade 
Dela, até hoje eu seria aquela estrela 
Apagada ali no firmamento; até hoje eu
Seria incompleto, uma sinfonia inacabada,
Um concerto ao piano que nunca seria 
Executado; e a musa, da mesma maneira
Que é cruel comigo, foi cruel com 
Beethoven e só o deixou criar a sua 
Obra-prima, quando ele estava inteiramente
Surdo: castigo maior não há; e penso que,
Talvez a crueldade não tenha frustrado o
Beethoven e que toda noite ele sonhava
Que ouvia, que não era surdo e que podia
Escutar muito bem o que compunha; só 
Ficava triste quando tinha que acordar, 
Mas ficava louco para dormir e poder 
Sonhar de novo, ou sonhava que estava
Acordado mesmo; mas era o Beethoven,
Alemão, europeu, de uma raça privilegiada
De cérebros superiores, de mentes 
Brilhantes, de pensadores e de pensamentos
Livres; poetas consagrados, de lirismos
Clássicos, eruditos que, a musa nunca
Deixou morrer à míngua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário