terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Muita loucura é muita loucura dentro; BH, 02801002012.

Muita loucura é muita loucura dentro
Do ser, não explico, Erasmo tentou
Explicar e é muito complicado; mas,
Nesta pequena biografia, a loucura
É muito grande; doença, desequilíbrio,
Esquizofrenia, não sei; mas, sou maluco,
Moleque, doido, muito doido mesmo
Por dentro; é a explicação que 
Encontro, é o diagnóstico que vejo,
Alienista e alienado; penso que talvez
Seja pelo fato de ser povoado e povoação
De muitos antepassados; e quando se 
Manifestam, o único que está livre,
Está desocupado, sou eu e deixo 
Que comandem minha mão ao bel 
Prazer, a encher laudas e laudas
Com tudo que têm a dizer e com esta
Miscelânea, tudo passa a parecer coisa 
De doido, louco, varrido, maluco e
Mentecapto; um pega minha mão e 
Diz: escreve aí assombração sobrenatural;
Outro puxa minha mão: não, escreve
Aí fantasma solitário e mais outro vem
E subitamente, a espumar, escreve aí
Ectoplasma desesperado e haja mão para
Todos e tudo parece psicografado;
E cada um tem mais coisa para dizer,
Do que quando estava vivo: escreve aí
Minha pequena biografia póstuma;
Louco, se trabalhasses, não te 
Procurariam tanto assim, sabem que 
És vagabundo e sem-vergonha e 
Enchem teu saco de loucuras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário