segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Persigo uma obra-prima; BH, 0150902013.

Persigo uma obra-prima 
Não sei até quando, o sol nasce
Todo dia, não sei até quando
E a luz há de brilhar, não
Sei até quando, mas,persigo
Uma obra-prima; Cazuza perseguia
Uma ideologia, Van Gogh a perfeição
Dum óleo sobre tela, Marx a sociedade
Utópica, Picasso fez vários experimentos,
Até ser chamado de gênio, Dali
Em sonhos de loucura, brindou-nos
Com a arte mais elevada e cada 
Um desses loucos sistemáticos,
Perseguiu a beleza, sem medir
As consequências negativas, que 
Muitas vezes recaiam sobre si
Mesmos, na ânsia de concluírem 
Uma obra de arte; persigo uma 
Obra-prima e quero também poder
Brindar a humanidade, com uma 
Obra de arte chamada de minha;
Não sei quando nascerá, não importa
Quando, mas todo dia levanto e 
Penso: hoje atinjo a perfeição, hoje
Concluo um pensamento seivado
De sabedoria, lucidez e percepção;
E domingo é o melhor dia para 
Liberar a intuição, longe dos jornais,
Longe das televisões, incomodado 
Igual a um animal no cio e a 
Perseguir a fêmea desejada a fugir 
Sempre, é a poesia a fugir de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário