terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Quando será que poderei convencer-me? BH, 050902013.

Quando será que poderei convencer-me?
Pois nada faz-me convencer e inda não
Há, pelo menos em mim, o que faça-me
Dizer assim: sim, estou convencido de 
Mim; e inda penso como imaturo,
Pueril, ingênuo; inda ajo como se 
Estivesse na infância, inseguro, 
Cambaleante, bambo; e não tenho 
Bebido, não tenho marcado presença 
Nos meus bares da vida, nos meus 
Botequins prediletos; mais caseiro, a 
Reler "Miscelânea de Opiniões e 
Sentenças", Nietzsche, percebo que 
Tenho uma miscelânea de cabeça de 
Menino, nenhuma opinião, ou 
Sentença que convençam; o cachorro
Late, late e não consigo convencê-lo 
A parar de latir; é que são quase doze
Horas, faltam vinte minutos e os 
Vizinhos podem reclamar do barulho 
Do cachorro; e no momento, passa um 
Bando de cachorros vagabundos pela
Rua, aí é que o alarido aumenta; e 
Enfim, ai de mim, encalhei agora na 
Leitura e malgrado meu, encalhei 
Também na escrita; é que estou meio
Aborrecido, com o julgamento dessa
AP 470 pelo STF e que vergonha, 
Condenar sem provas e sem 
Testemunhas; imortalizo aqui essa 
Ação Penal, posto aqui para a posteridade
A 470 no STF, cravo na eternidade
Esse erro em nome não sei de que e 
Pelo menos nisso convenci-me.

Nenhum comentário:

Postar um comentário