sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Quero pouco; RJ, 03001101996.

Quero pouco,
Quase nada,
Não sou ambicioso;
De repente,
Não quero nada;
Minhas palavras são poucas,
O vocabulário também,
A gramática menos ainda;
Até meu amor é pequeno,
Como pequeno sou;
Meu mundo é pequeno,
Resume-se a pouco,
Tão pouco,
Que o pouco,
Fica a parecer muito;
E me prende aqui,
Com correntes especiais,
Que não abrem jamais;
E aprisiona o pequeno,
Naquilo que realmente é,
Perante aos olhos alheios,
Que não veem a realidade
E querem ver aquilo,
Que não podem ver;
E querem ser aquilo,
Que não podem ser;
O que me importa,
É o meu ângulo de visão,
E é pequeno,
É pouco;
Como poucos são aqueles
Que estão no caminho certo;
Poucos são aqueles que estão
Com a verdadeira realidade,
Com a legítima liberdade,
De fazer o que convier,
Igual mendigo de rua,
De calçada suja e nodosa,
De rua de beco sem saída,
Saída daquilo que realmente somos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário