domingo, 15 de novembro de 2015

Não perguntarei mais nada e pararei de indagar; BH,070702013.

Não perguntarei mais nada e pararei de indagar 
E não quererei saber; querer saber é demasia 
E soluções, resoluções e recordações,
Respostas, às favas; a saída é conformar,
Confirmar que, é assim que terei
De ser; que caia em minhas costas o
Mundo, que arraste-me atrás de si o
Universo, não resistirei; não
Relutarei contra a força de
Gravidade e deixar-me-ei atrair
Para fora da minha órbita; não
Marcharei de encontro ao meu
Destino, onde estiver de chegar,
Chegarei bem, ou mal chegado,
Mas, chegarei; se for inteiro, é
Por que tive que chegar inteiro e
Se for por partes, é por que tive que
Chegar por partes; bem que tudo poderia
Acabar de uma vez só; a demagogia,
A hipocrisia e a desilusão, bem
Que poderiam ter fim e a ansiedade,
A angústia e a depressão; conheço
As histórias que contaram-me de cor
E nenhuma história é nova, nada
Mais é novidade, inusitado, surpreso,
Não removerei o tempo de lugar e
Podeis contornar a montanha, não a
Afastarei do caminho; já estou
Representado pela loucura e a
Lucidez não representa-me e a
Sanidade não representa-me; não
Optarei por uma percepção, não tive
Escolha, guio-me pelo faro da intuição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário