domingo, 17 de maio de 2015

Fidélis Martins, 90, 1; BH, 0280502012.

Estou a perder tempo com a vida e a vida
Não quer o meu tempo e perde tempo
Comigo; a vida é um perigo, o tempo é
Um perigo e corro perigo com o tempo
E com a vida; se há coisas com as quais
Deveria usar de sabedoria e controlá-las
São a vida e o tempo; e não deveria
Correr perigo por essas coisas, mas,
Como a sabedoria não vem para qualquer
Um e não veio para mim, não tenho meios
De edificar as colunas de aços inoxidáveis
Que elevam às alturas dos céus, além dos
Firmamentos; e é lá, justo nessas
Dimensões atemporais, que se esconde a
Sabedoria, que tanto poderia ensinar-me
A controlar a vida e o tempo; e como
Faltam-me vida, tempo e sabedoria, não
Tenho motivos para sorrir, não tenho
Motivos para falar, enfim, não tenho
Motivos para viver; e sufocado nesta
Ignorância, afogado nesta estupidez que
Não virarão cinzas e que toda vez que
Forem incineradas, como umas Fênix,
Ressurgirão, apesar de há muito tempo,
Não mais existir para disfarçá-las, e
Não morrer de vergonha eternamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário