sábado, 23 de maio de 2015

Tereza Mota Valadares, 190, 8; BH, 0270602012.

Mãe do lirismo, musa da poesia, a
Obra-prima minha de cada noite
Dai-me hoje; mãe do classicismo,
A obra de arte de cada noite
Dai-me hoje; matai a minha
Fome do saber, e a minha sede
Do conhecimento na fonte do
Bem e do mal; dai-me de beber
Do vinho mais nobre dos deuses
E fazei de mim um instrumento
Da inspiração, da imaginação
E da criatividade; não me
Dai mais nada, mesmo que
Venha pedir; dai-me tudo de
Riqueza mental, de fortaleza
Espiritual, do alicerce da inteligência
E da base da sabedoria; minha mãe
Santa sagrada e profana, minha
Deusa do amor e da paz, ensina-me
Como se faz, com ensinaste aos
Grandes bardos da Grécia, vates da
Itália e de outros berços
Consagrados à cultura universal;
Quero ser eterno, quero ser imortal,
Quero posteridade, mas, sem academia,
Universidade e sem faculdade; singela
Luminosa iluminista iluminai esta
Pobre e vil e decadente alma artista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário