sábado, 26 de março de 2016

Penei para pensar pois não estava acostumado; BH, 01º01202012.

Penei para pensar pois não estava acostumado
A pensar; acostumado a tudo, menos a pensar,
Raciocinar, viver de acordo com as coisas 
Ligadas ao pensamento; para tal, nunca 
Servi e mentalizar, decorar, meditar, 
Memorizar, mentalizar, lembrar, não nasci
Para essas coisas ligadas à mente; lógica,
Dialética, ética, sou ser desprovido de tais 
Qualidades; meu pretérito sempre foi 
Imperfeito e meu presente, é mais do que 
Imperfeito e meu futuro, não poderá ser 
Perfeito e nem mais-do-que-perfeito; quando
Era para declamar poesia na frente da turma,
Ficava encalhado; para falar algum texto 
Decorado, ficava empacado; qual a arte que
O azo dela poderia ser simpatia a mim e a 
Ela? e as ciências? todas as ciências são 
Minha inimigas mortais; todas as teses,
Teorias, ensaios embananam-me se for 
Para escrevê-los, ou lê-los; e a cultura; não
Sou irmão da cultura, pelo contrário, 
Desprezo-a, bem como a educação, não
A possuo, nem para usar no dia a dia; e o 
Que sobra de mim? e o que resta de mim?
Ah, aí são muitas coisas: é infinita estupidez
E a inacabável ignorância e a interminável
Bisonhice; e não houve milagre que desse jeito, 
Até apelei aos santos e às santas, fiz promessas, 
Acendi velas e incensos, ofereci mirra e ouro 
E inda hoje sofro, dói muito quando penso 

Nenhum comentário:

Postar um comentário