sábado, 15 de agosto de 2015

MKIO, 152; BH, 0160502013.

Minhas licenças e retóricas poéticas são
Expedidas diretamente das galáxias
Dos aglomerados de constelações;
Falo intimamente com cada estrela,
Ouço o que têm a dizer e individualizo
Os pensamentos delas nas folhas de
Papel, em forma de poemas; outras
Mais exigentes, só falam-me em forma
De poesias; e outras, através de
Tempestades solares, ventos espaciais,
Cabeleiras de cometas e furacões de
Planetas agressivos; são linguagens de
Quasares, letras de regiões cósmicas
De cinturões desconhecidos e palavras
Formadas de ruídos das explosões das
Formações universais; e dos poros
Dessas peles interplanetárias escorrem
Os suores que molham a pena que fere
As linhas que amarram as letras e
Libertam as palavras; e imperial, a
Reinar soberano, ouço os balidos, as
Canções e as melodias que vêm desse
Vácuo infinito; e além de tudo,
Ensinam-me as filosofias que inda nem
Nasceram e revelam-me os pensamentos
Nas incubadeiras, as imaginações, as
Inspirações e as meditações que os
Mestres orientais ainda vão criar
Antes de nascerem os céus e as terras; e
É nessa bola de cristal que daqui do lado de 
Fora tento colher as respostas dos mistérios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário