sábado, 16 de abril de 2016

Empresarial Nicolau Jeha, 28; BH, 01601002012.

Que bicho és tu? um homem, pelo menos
Foi o que disseram, quando nasci;
Um homem mas, que espécie de homem 
És tu: de qual espécime? vive sempre em
Si, enclausurado, emudecido, taciturno;
Não posso falar muito e nem sei falar 
Direito, vivo a espreitar universos, os 
Mais distantes possíveis e estou sempre
A querer o impossível; e o que é o 
Impossível para ti, que não vejo nunca? 
O que tu comes. por exemplo? o 
Impossível para mim é a arte que eu 
Tento atingir e a obra-prima com a 
Qual tento alimentar-me; alimentar-te
De obras-primas?  isso, preciso comê-las
Para sobreviver, sou um tipo de homem
Que, o meu pão de cada dia é uma obra 
De arte, uma obra-prima, por matéria-prima
E se não alimentar-me delas, morrerei de 
Fome; és um inconsciente, trabalhar que
É bom, nada; sou consciente, no sentido 
De que, se não criar obras para alimenta-me,
Aí sim, tornar-me-ei um inconsciente; 
E qual tipo de obras tão importantes crias,
Assim, que chega a encher a boca, obras,
Como se estivesse realmente, com um 
Pão delicioso na boca? falaste tudo, 
Estou sempre com uma obra na boca, a 
Mastigá-la, a ruminá-la, a digeri-la, até
O dia no qual, terei que dá-la vida, luz
E um dia, num lapso inesperado, entenderás. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário