segunda-feira, 4 de abril de 2016

Por que não ousaste em vida? não ousei pois; BH, 0200902015.

Por que não ousaste em vida? não ousei pois,
Não era de mim ousar, retraia-me, contrátil,
Ao primeiro não e qualquer empecilho, 
Fazia de mim  um asilo, um albergue, 
Ou um mosteiro dos monges mais 
Fechados e avessos ao mundo; poderias
Ter usado de audácia, um pouco de 
Risco faz bem a alguém; não usei,
Não cabia em mim a audácia, a 
Ousadia, a fé; e querias ser poeta, hein? 
Pedias-me obras-primas, implorava-me 
Por obras de arte, como poderia fazer de 
Ti um poetas? se eras covarde, medroso,
Não tentavas nada nunca, não aprendias,
Não ensinavas; quem quer ser poeta, tem
Que ser destemido, determinado, cheio
De fé, ousadia, audácia, grande coragem
E plena determinação; sei disso e em
Vida não possuía esses epítetos, era muito
Estúpido e ignorante; e discernimento,
Percepção, intuição, noção, razão, raciocínio,
Ética, nada disso, habitava o meu coração;
Te conheci muito bem em vida e agora, 
Jaz aqui morto e nada mais posso 
Fazer, não há como resgatar-te, não há
Como revelar-te ao mundo, à humanidade;
Procura um cantinho por aí, fica na
Tua, esqueça esse negócio de antologia
Poética, aqui no limbo, ninguém liga 
Para isso, todas as tuas oportunidades
Tiveste em vida; agora, fantasma, 
Espírito replicante, por mais que queiras,
Que eu mande em teu nome,
Obras-primas, obras de arte literárias,
Para serem psicografadas, quando verem
Que estão no teu nome, infelizmente,
Médium nenhum quererá psicografá-las. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário