sexta-feira, 8 de abril de 2016

Lavo minhas mãos; BH, 01501102014.

Lavo minhas mãos,
Meu coração já veio lacrado,
Embalsamado;
Lavo minhas mãos,
Coração de Pôncio Pilatos,
É só o que sei dizer,
Lavo minhas mãos
E quanto mais as lavo,
Mais sujas ficam,
Apesar de tão alvas
E de já perderem,
As impressões digitais,
De tanto serem lavadas
E lavradas;
E continuam tão sujas,
Quanto o meu coração;
Perdi a pele como um réptil,
Perdi bico,
Penas e garras como uma águia
E não renovo-me;
Não ressurjo das cinzas,
Fênix fendida,
Escapam de mim seiva,
Néctar de sangue,
Bálsamo de vida;
Dos cílios pesados,
Das pestanas chumbadas fogem os sonhos
E as sobrancelhas não barram os pesadelos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário