segunda-feira, 18 de abril de 2016

O dia em que eu perder a vaidade; BH, 0120402001.

O dia em que perder a vaidade,
Deixar diminuir o que estava inchado
Dentro de mim; desfazer a inchação do 
Meu ego e desinchar o meu coração, 
Será o dia mais feliz da minha vida;
Saberei desimpedir-me, tirar o impedimento
De dentro do ser, desembaraçar-me dos 
Problemas e desobstruir os meus caminhos;
Aí, a desilusão terá fim, porei em evidência
A perda da ilusão, afastarei-me do engano
E do efeito de desiludir-me; agora é só
Tirar as ilusões de todas as coisas, desenganar
Os que vivem enganados, sem decepções;
E viverei desiludido, viverei igual aquele
A quem desiludiram, trataram com 
Desigualdades e não com importância
De expressão, mas, que deu a volta por cima;
Não com o valor de duas quantidades,
Aritméticas, ou algébricas, em que uma é
Maior, ou menor do que a outra, mas, no 
Valor que hoje luto para deixar de ser injusto
E parcial; brigo para vencer o inconstante e 
Volúvel e transformo-me num desproporcionado
E aprendi a ser tudo que não é igual,
Cresci indiferente e desigual; não tenho
Combinação e nem entendimento para 
Obter um resultado, vivi sem plano e 
Projeto; minha vida não tem desígnio e o 
Que designa o destino próprio, é o designar
Para o caminho da morte; o traço designativo,
Para classificar os montes, significar as 
Montanhas, nomear os abismos, denominar os
Precipícios, indicar a trilha nos outeiros e dar
Conhecer às brenhas, um guia não designado;
Até hoje um sacerdote que não recebeu a 
Designação divina, não pergunte-me sobre a
Minha denominação, não fale-me sobre a 
Minha indicação; de chorar por ver um anjo,
Serei capaz de desidratar-me, eliminar a água 
Contida no meu corpo; geleira, não há calor,
Vácuo, ou outra substância higrocospica na água
Misturada e confinada com minhas substâncias, a não 
Ser o pranto onde converterei-me em desidratação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário