sábado, 9 de abril de 2016

Veio de muito longe d'além mar e de trás; BH, 0280302015.

Veio de muito longe d'além mar e de trás 
Os montes, depois das cordilheiras, depois do horizonte;
E veio para existir, para ser rei, ou para ser rainha,
A contar histórias das grandes navegações, das
Conquistas dos oestes, dos caminhos rumo aos
Nortes a semear as vidas e a espalhar a morte;
Para um lado, os azares, para o outro, as sortes e  
Fincou cruzes nas costas e nas encostas dos morros,
Planícies e planaltos; hasteou bandeiras, abriu entradas,
Fechou saídas; escreveu cartas, tratados, leis
E testamentos, convenções; construiu conventos com
Seus sótãos e seus porões, mosteiros, albergues,
Colégios, liceus, universidades, academias, igrejas,
Muitas igrejas; e em nome de religiões inventadas,
Impunemente, dizimou civilizações, saqueou 
Tesouros, culturas, tradições, estuprou mulheres,
Escravizou gerações; usou o nome das coisas nas
Coisas e inventou coisas para os nomes, desprezou
Árabes e seus números, desprezou africanos e suas
Florestas, seus desertos e pirâmides e esfinges,
Estátuas, túmulos, sarcófagos e faraós; e cunhou
Moedas, medalhas, sinos, crucifixos, anéis, no 
Bronze, no mármore, no ferro, no cobre, no ouro;
Facetou diamantes, pedras, espadas, punhais; e 
Cravejou armas, corpos, armaduras, marretas, 
Arietes, catapultas, cadafalsos, catafalcos e
Inquiriu, torturou, queimou, enforcou, empalou
E nunca amou; encrustou ossos, alicerçou com
Esqueletos castelos nos cimos de pedreiras
Rochosas, bebeu sangue no Santo Graal, vinho
No Cálix Bento e água benta de cacimba na 
Moringa e de cisterna no cantil e amou putas
No Santo Sudário; e o Al Corão decepou mãos
No cepo e cabeças na areia, nas estepes, nas
Falésias, nas pradarias, onde os ventos não são
Os mesmos e são ventos santos, sagrados, nos
Seus santuários, que não podem ser profanados;
E despiu almas com o olhar, desalojou espíritos
Com gestos, desencarnou corpos com a língua
E reencarnou fósseis com o pensamento; mentalizou
E materializou ectoplasmas sem átomos, 
Moléculas, partículas, tecidos, ou outras 
Representações de esculturas estruturais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário