terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Estou abandonado; BH, 0260702013.

Estou abandonado e é por intransigência 
Minha e o que penso, não é concretizado,
E o que sonho, não é realizado; e se 
Tento a mentalização de uma vontade,
E apelo a uma potência de poder, não
Sou atendido; estou alienado, indiferente,
Um autista num quarto escuro e todos 
Vós vanglorieis por vossas audácias, vossas 
Ousadias, de nada posso vangloriar-me;
E piso em ovos ao andar, as deficiências 
Causam-me insegurança e como um 
Produto sem garantia, não sou aceito 
Pelo mercado, venci o prazo de 
Vencimento; perdeis a confiança ao
Desconfiareis de mim, não passo
Uma força, uma fé, uma resposta de 
Justiça; uma saída de esperança: 
Sempre há o que espera alguma coisa
De alguém; sempre há o que diz 
Assim: agora chegou a minha vez, 
Agora chegou a minha hora, encontrei
Alguém a estender-me a mão; e 
Minha mão está sempre vazia, tanto
Quanto o meu coração; e passo a 
Decepção q quem sonhava que eu
Fosse a solução e por trás da pele 
De cordeiro, sou é o problema,
Somente o problema; não há como
Não ser abandonado, ninguém é 
Totalmente louco ao ponto de querer
Que eu seja de companhia; e não sou 
De companhia, sou um animal de
Estepe, de solidão, um lobo solitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário