domingo, 20 de dezembro de 2015

Não pagarei nada; BH, 0290702013.

Não pagarei nada do que vos devo com
Letras, não vos ressarcirei com palavras; o 
Pablo Picasso, que era artista, com uma 
Rubrica enriquecia qualquer dono de 
Estabelecimento comercial; o Salvador 
Dali, com um único rabisco, deixava
Milionários donos de galerias de arte;
Juan Miró, com seus salpicos de tinta,
Com suas impressões sem impressões,
Enchia de grana os bolsos dos colecionadores;
Eram verdadeiros reis Midas, em 
Tudo que pegavam, transformavam 
Em ouro; devo-vos, devo a vós muito,
Se letras pagassem, eu ainda teria 
Troco, se palavras pagassem, na certa,
Eu poderia gastar mais; mas minhas
Letras, minhas palavras não são mágicas,
Não são consagradas, não são santas; e
Num futuro qualquer, incerto, não
Serão relíquias negociadas a peso de 
Ouro; se vivesse no tempo das 
Cavernas, e fizesse esses garranchos em
Qualquer parede de gruta, na certa as 
Paredes e as grutas seriam preservadas,
Seriam intocáveis devido aos 
Garranchos, hoje transformados em
Escritas rupestres, e não teriam preço
Imaginável; e olho minhas paredes nas
Salas, quartos, banheiro, cozinha, e vejo
Os prisioneiros, estão todos lá, acorrentados,
E não sei como libertá-los, não sei como
Transformá-los em obras-primas, em obras de arte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário