domingo, 20 de agosto de 2017

Desde menino sou chamado de carneiro; BH, 020702000; Publicado: BH, 0201202013.

Desde menino sou chamado de carneiro,
Um argali da Sibéria, que todo argamandel,
O pastor trapalhão, quer oferecer aos deuses,
Como uma oferenda de qualidade,
Depois que é construído o altar pelo
Argamassador, que faz e aplica a
Argamassa, para embelezar o altar;
No lugar de me sacrificar, matam o
Arganaz, espécie de rato silvestre,
Sacrificado para um homem muito alto;
E que só sabe chiar e guinchar, sem passar
Do rés-do-chão de poesia e lama,
Preso por milanos num arganel, o círculo
Metálico como o do astrolábio; a argola da 
Âncora, em que se prendem as cordas da 
Artilharia, o arganéu do inferno de Cérbero;
Por onde fujo desesperadamente? pelo 
Argau, o tubo de folha, ou de cana, para 
Extrair líquidos das vasilhas e valas;
E por onde cavalo argel, cujos pés de trás
São brancos, fogem da argemone, a 
Úlcera arredondada e superficial;
Da córnea, como o gênero de plantas
Da família das Papaveráceas, na Botânica;
O couro lavrado e prateado, de que se 
Fazem bolsas, o argempel, que me deixa
De orgulho argentado e espírito prateado;
Na alma um luar argentador, cuja luz,
É a do sol e assim mesmo nos argenta;
Tal liga de cobre, níquel e estanho, 
Argentão que nos faz tornar da cor da 
Prata; e que nos faz pratear, argentear
À noite e argentar na madrugada,
Quando a lua no seu esplendor,
Nos transforma em guarnição, ou baixela,
Argentaria de prata de qualidade; e 
Do latim argentu, do elemento de 
Composição de prata, o argentífero
Argenti que contém folhas prateadas,
Argentifólio da planta; e sulfureto
Natural dos mais ricos minérios de 
Que se extrai industrialmente a argentita;
A procura o aristocratismo do povo,
As maneiras, as tendências e os 
Verdadeiros princípios de aristocrata,
Que só um povo soberano sabe enveredar,
Por um caminho aristo e nobre;
Que espanta e cura toda a aristimia,
A dermatose pluriginosa, aristiforme, arista, 
O ariste, a ponta filiforme, ou cerda; a 
Pragana que faz ariscar, tornar o espírito
Arisco, espantar as assombrações e assustar
Os fantasmas da aririe e da aricuri; e a palmeira
De cocos Coronata Mart, também chamada
Alicuri, auricuri, uricuri, nicuri, ariri e eu sou eu,
E aricuri todo mundo sabe que é até o aricobó;
Indígena da tribo dos Aricoboés, de Goiás; a
Ariranha nadadeira, mamífero da família dos
Mustelídeos, semelhante à lontra, que na
Voz canta ao regongar ao luar argento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário