segunda-feira, 14 de agosto de 2017

É para cremar e queimar para não sobrar nada nem as cinzas; BH, 02401102000; Publicado: BH, 0901202013.

É para cremar e queimar para não sobrar nada nem as cinzas,
É para incinerar, como incinera-se cadáveres; e na cremação,
Leva a alma, o espírito, a mente e o coração e a cremalheira,
O conjunto de roda e trilho, o denteado e o encaixador, que
Serve para reter e travar mas, antes o desenho será feito
Com o lápis preto, ou em cores, o creion especial; e a oração
Do credo, o creio-em-deus-padre, no ingênuo que sou, no
Carola que sou, no crédulo com facilidade, na credulidade,
Perco o apoio do credor, que tem dinheiro a receber, 
Considerado quanto ao devedor e à dívida e que se faz 
Merecedor de reconhecimento de retribuição e o modo de 
Rezar, com a pessoa a se benzer enquanto pronuncia as
Palavras do credo-em-cruz; da oração cristã em latim,
Principia com profissão de fé, normas e convicções; e
Expressa o fim do espanto, do medo, da aversão e a
Possibilidade de adquirir por empréstimo aumenta o
Haver de uma conta, de um negociante, com autorização
Para contrair dívida, no crédito e na confiança que
Inspira especialmente quanto ao pagamento, com o
Crédito, a creditar, a lançar a crédito e inscrever como
Credor para garantir e manter a credibilidade daquilo que
É crível, tipo quem compra pelo crediário, sistema de
Vendas com pagamento a prestações pelo crediatista; com
Documentos de apresentação que o governo de um Estado
Dá a embaixador, ou a enviado especial em país estrangeiro,
Credencial de poderes, títulos que abonam; e no asilo diurno
Para crianças, na creche de creyon de cravo-de-defunto, da
Planta da família da Compostas, de flores ornamentais; e o
Cravo-de-cabecinha, cravo-da-índia, da família das misáceas,
Cuja flores, em botão, secas são usadas como condimento; e
O cravo-de-defunto, das compostas, de flores ornamentais. e a flor
Do craveiro, instrumento musical e teclado; e o prego especial
Para fixar ferradura na calosidade da sola da pé; inflamação
Sebácea nos poros, coisa dolorosa e desagradável, difícil de
Resolver, que nem o cravista, que toca o cravo e nem a  
Cravina das Cariofiláceas são capazes de atenuar ao som da
Cravelha, peça de certos instrumentos musicais que, torcida,
Retesa-lhe as cordas; e engastar pedrarias, ornar com tachas,
Cravejar para fixar, operação de cravejamento daquele que
Craveja no buraco da ferradura do cravejador; e a medida de
Estalão no compasso do sapateiro e o parelho para medir a
Altura das pessoas na craveira; penetra profundamente na
Alma , a fincar-se nas coisas do espírito, a marcar o tempo com
Exatidão; fazer penetrar, mas, não à força, cravar com o prego
E na cravação e da abertura por onde o vulcão expele a lava,
Da grande cratera no chão; e que geralmente causada por
Explosão, sai o completo, o grosseiro, o total, o negror denso,
O crasso e espesso, do erro por não crasear, não por o acento
Indicativo da crase; a fusão numa das duas vogais iguais, no
Sinal gráfico que, representa essa fusão: escrevo em
Onomatopeia de coisa que se racha, ou quebra, como a súbita
Ruína econômica e financeira; a fumaça do craque por onde se
Esvai a vida; o cavalo de corrida, o excelente jogador de futebol;
O famoso que a mídia cria, o homem devasso onde contém um
Crápula libertino, canalha crapuloso e no futuro secular, a pessoa
Vai viver muito em si de inteligente e preparo, a esquecer a caveira,
O crânio será mais do que uma caixa óssea para encerrar e proteger
O encéfalo; o futuro será mais craniano, longe de condecoração, de
Insígnia honorífica e de crachá que se traz no peito; e a pessoa
Que cozinha, o cozinheiro e faz o cozinhar, o cozer no fogo, o guisar,
No compartimento da casa onde se cozem os alimentos, a arte de os
Preparar; e os característicos de uma região, ou país, virará
Comprimidas cápsulas de drágeas, a infusão de cozimento; o cozido
De carne cozinhada com legumes, o preparar para digerir; o
Submeter a ação do calcinar igual à cerâmica, será tudo reduzido,
Concentrado, coso, manco, rengo, tal qual o que coxeia no coxim de
Almofada, é o que serve de assento; sobre a campina, com pequenas
E contínuas elevações de colina, de coxilha; e o de claudicar, na velhice,
Manquejar nas estradas do destino da vida; coxear no caminho, sem
Fazer com pressa e sem cuidado e ter firme a coxa, a parte do corpo
Humano entre a virilha e o joelho, que sustenta e ajuda a fugir do covo,
A espécie de rede de pesca; a fuga do valhacouto, o abrigo de salteadores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário